Mercado fechado

Pandemia encolhe volumes de comércio em portos globais

Bryce Baschuk

(Bloomberg) -- O choque mais repentino e de maior impacto para a economia global em pelo menos uma geração é sentido em portos e outros centros de comércio internacional em meio à batalha da Europa e Estados Unidos para conter a pandemia de coronavírus.

Nem crises modernas como a Grande Recessão, os ataques de 11 de setembro e a crise do petróleo de 1973 limitaram os fluxos comerciais com a rapidez e a força do Covid-19.

E nem mesmo a Segunda Guerra Mundial provocou o nocaute econômico que paralisa as cadeias de suprimentos globais e quase silencia as cidades mais movimentadas do mundo desenvolvido, onde consumidores estão em casa e empresas fechadas.

“Isso pode ser visto como um cenário de guerra sem a destruição de ativos físicos”, disse o economista-chefe da Organização Mundial do Comércio, Robert Koopman, em entrevista à Bloomberg por telefone.

Os dados de alguns dos portos mais movimentados do mundo, que já mostravam tráfego de cargas reduzido com a economia da China fechada nos últimos dois meses, mostram a imagem preocupante de um colapso que muitos economistas acreditam irá persistir no primeiro semestre.

Os volumes de importação e exportação dos EUA desaceleraram nas semanas anteriores aos bloqueios de cidades do país, de acordo com dados da IHS Markit compilados pela Bloomberg. As exportações dos EUA foram particularmente afetadas, e esses números devem ser acompanhados de perto nos próximos dias para dimensionar a gravidade da crise.

O Porto de Xangai, o maior do mundo, registrou queda de 20% da movimentação de contêineres em fevereiro na comparação anual, de acordo com o Departamento Municipal de Estatísticas de Xangai. No mês passado, o volume de cargas no Porto de Long Beach caiu 9,8% em relação ao mesmo período do ano passado, e movimentação total de contêineres no Porto de Hong Kong mostrou baixa de 11% na taxa acumulada.

Parada repentina

“Vemos um declínio muito acentuado e sem precedentes do comércio, principalmente por causa da velocidade com que está acontecendo”, disse Phil Levy, ex-economista da Casa Branca, em entrevista por telefone.

“Se já começamos a nos equiparar às estatísticas da Grande Recessão, isso significa que estamos a caminho do recorde moderno”, disse Levy, agora economista-chefe da empresa de logística de frete Flexport.

Poucas economias foram poupadas da ira do vírus, especialmente as da Europa, atualmente o epicentro da pandemia.

O maior porto marítimo da Europa, em Roterdã, registrou queda “significativa” dos volumes de movimentação de todos os fluxos de carga nos últimos três meses, disse Leon Willems, porta-voz do Porto de Roterdã.

“A pandemia tem interrompido as cadeias de produção e logística em nível global”, disse Willems por e-mail. “Há uma probabilidade realista de que o volume de movimentação para 2020 seja significativamente menor do que nos últimos dois anos.”

Até a China, que se recupera lentamente depois dos primeiros casos de coronavírus surgidos em dezembro, ainda enfrenta problemas para reiniciar as cadeias de suprimentos paralisadas.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.