Mercado abrirá em 1 h 42 min
  • BOVESPA

    106.924,18
    +1.236,18 (+1,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.579,90
    +270,60 (+0,55%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,43
    -1,06 (-0,96%)
     
  • OURO

    1.802,90
    -5,30 (-0,29%)
     
  • BTC-USD

    30.008,39
    +141,49 (+0,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    672,44
    -8,67 (-1,27%)
     
  • S&P500

    4.023,89
    +93,81 (+2,39%)
     
  • DOW JONES

    32.196,66
    +466,36 (+1,47%)
     
  • FTSE

    7.412,97
    -5,18 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    19.950,21
    +51,44 (+0,26%)
     
  • NIKKEI

    26.547,05
    +119,40 (+0,45%)
     
  • NASDAQ

    12.335,00
    -47,75 (-0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2798
    +0,0207 (+0,39%)
     

Pandemia de covid-19 alterou nossa percepção do tempo, segundo estudo

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A pandemia de covid-19 alterou nossa percepção sobre a passagem do tempo, segundo um estudo brasileiro publicado na revista Science Advances. De 3.855 entrevistados, a maior parte (65%) relatou sentir as horas se arrastarem mais devagar no final do primeiro mês de isolamento social, em maio de 2020.

Segundo o artigo, conduzido por cientistas da Universidade Federal do ABC (UFABC), essa primeira sensação diz respeito a um fenômeno chamado “expansão temporal”, que tem associação direta à solidão e à falta de experiências positivas durante o início da pandemia. Enquanto isso, a percepção de “pressão temporal” (quando o relógio parece andar depressa e falta tempo) diminuiu para 75% dessas pessoas.

Conforme comentam os pesquisadores, a sensação de expansão temporal foi diminuindo com o passar das semanas. Para chegar a essa descoberta, os voluntários responderam a um questionário on-line com dez perguntas e participaram de um experimento em que deveriam apertar um botão para sinalizar a passagem de 30 ou 60 segundos. No entanto, o público envolvido não teve dificuldades para calcular esses pequenos intervalos de tempo.

Os cientistas então analisaram as respostas e calcularam, semana a semana, se havia aumento ou queda na expansão e pressão temporal, e concluíram que nas semanas em que o indivíduo se sentia mais sozinho e vivenciava menos afetos positivos, sentia o tempo passar mais devagar. Já em situações com alto nível de estresse, o tempo parecia passar mais rapidamente para essa pessoa.

Pandemia de covid-19 alterou a percepção do tempo, segundo estudo (Imagem: Rido81/Envato)
Pandemia de covid-19 alterou a percepção do tempo, segundo estudo (Imagem: Rido81/Envato)

Os autores ressaltam que a sensação de o tempo passar mais depressa ou mais devagar é influenciada principalmente por fatores como a relevância do tempo em um determinado contexto e a imprevisibilidade.

Comparando as impressões dos participantes sobre o período pré-pandêmico em relação ao início da pandemia, os autores notaram um aumento de 20 pontos da expansão temporal e uma redução de 30 pontos da pressão temporal. Os jovens foram os que mais sentiram o tempo parar no início da pandemia de covid-19.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos