Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    46.281,99
    +15,95 (+0,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Pandemia, clima e imposto digital são temas do G7 de Finanças

·2 minuto de leitura
O ministro das Finanças britânico, Rishi Sunak

Os países industrializados devem colocar as questões climáticas no centro de suas decisões econômicas, ajudar os países mais pobres a lidar com a pandemia e avançar no imposto digital, argumentou o Reino Unido, que presidiu uma reunião do G7 de Finanças, nesta sexta-feira (12).

Ministros das finanças e banqueiros centrais da Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido se reuniram por videoconferência.

Estavam acompanhados por autoridades do Banco Central Europeu (BCE), do Eurogrupo, do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial, sob a presidência do Ministro das Finanças britânico, Rishi Sunak, e do governador do Banco da Inglaterra , Andrew Bailey.

Este foi o primeiro G7 de Finanças desde a eleição de Joe Biden, com a presença da secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen.

A reunião foi um prelúdio para a Cúpula de Chefes de Estado e de Governo do G7, que será realizada de 11 a 13 de junho na Cornualha, sudoeste da Inglaterra.

Nela, Sunak exortou os participantes a agir para ajudar os países mais vulneráveis em 2021 e fazer do clima uma prioridade central para alcançar uma retomada econômica "verde" após a pandemia.

As questões climáticas ocupam um lugar de destaque na agenda de Londres, que neste mês assume a presidência do Conselho de Segurança das Nações Unidas e em novembro sediará a COP26, em Glasgow.

O ministro britânico defendeu uma distribuição rápida e justa das vacinas da covid-19 em todo o mundo e insistiu que as instituições financeiras internacionais devem ter ferramentas certas para ajudar os países pobres a enfrentar a crise.

Em sua conta no Twitter, o presidente do Grupo do Banco Mundial, David Malpass, elogiou como um "bom debate sobre desigualdades, vacinas, clima, vulnerabilidades e a necessidade de uma ponto comum sobre a reunião da dívida".

Londres acrescentou que o G7 de Finanças também reconhece a necessidade de avançar para uma solução internacional sobre um imposto aos gigantes digitais que saíram ganhando com a pandemia, já que muitos países enfrentaram uma retração econômica sem precedentes.

O Reino Unido se propôs a chegar a um acordo sobre isso em meados de 2021, cumprindo o prazo estabelecido pelo G20. Sunak pediu que isso fosse trabalhado no G7, no G20 e na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

jbo-acc/tjc/bn