Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    48.288,35
    +865,64 (+1,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Pandemia atinge salários alemães com mais força do que crise financeira

·1 minuto de leitura
Trabalhadores limpam neve em rua de Berlim

BERLIM (Reuters) - A renda nominal dos alemães caiu pela primeira vez em mais de uma década, disse a agência de estatísticas do país nesta quarta-feira, divulgando dados que mostraram que a pandemia de coronavírus teve um impacto mais severo sobre os salários do que a crise financeira de 2007-2008.

Dados preliminares mostraram que os rendimentos nominais encolheram 0,6% em 2020, a primeira contração desde o início da série de dados em 2007. Em termos reais ajustados pela inflação, a renda teve queda de 1%, a primeira contração desde 2013.

Meses de lockdown com o objetivo de conter a propagação do vírus tiveram um impacto devastador na economia global, e a maior economia da Europa, com sua forte dependência pelas exportações, não foi poupada.

Os números não refletem o impacto do regime de trabalho com jornada reduzida do governo utilizado para a preservação de empregos, sob o qual o Estado compensa parcialmente a renda perdida dos trabalhadores.