Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.141,82
    -396,48 (-2,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

Pandemia aprofunda desigualdade entre mulheres e homens no empreendedorismo

·2 min de leitura

A pandemia de coronavírus ampliou a desigualdade de gênero nos pequenos negócios, segundo um estudo do Nubank com o Sebrae e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Em 2020, MEIs liderados por homens apresentaram uma receita média 10,8% superior à das mulheres. Nos primeiros sete meses de 2021, essa diferença subiu para 23%.

A base de análise do estudo veio de três fontes: os clientes do Nubank que abriram conta pessoal e de pessoa jurídica na fintech, além de donas e donos de micro e pequenos negócios; o banco de dados de pequenas empresas do Sebrae; e análises e recomendações sobre políticas públicas do BID, realizados a partir de dados públicos.

Outros dados importantes da pesquisa do Data Nubank — a plataforma de estudos sobre finanças do Nubank — foram:

  • O número de mulheres empreendedoras caiu 50% a mais do que o número de homens que fecharam seus negócios;

  • Em 2019, as mulheres conseguiram guardar 17,2% em volume financeiro a menos do que os homens, segundo os registros na plataforma do Nubank. Em 2021, o percentual aumentou para 47,6%;

  • Durante a crise, 53% dos homens donos de microempresas contraíram empréstimos para manter seus negócios; 47% das mulheres usaram desse recurso;

  • Cerca de 21% das mulheres têm conhecimento em experiência com investimentos, contra 37,9% dos homens.

Mesmo antes da crise de covid, as MEIs mulheres já dedicavam cerca de 10,4 horas a mais que homens por semana em atividades domésticas e de cuidado com a família, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Fechamento de creches e escolas também impactou mais as mulheres (Imagem: StartupStockPhotos/Pixabay)
Fechamento de creches e escolas também impactou mais as mulheres (Imagem: StartupStockPhotos/Pixabay)

“Isso confirma que a lacuna entre os gêneros no país ainda é um dos desafios mais evidentes do empreendedorismo por aqui e se reflete no quanto cada empreendedor ganha em seus negócios”, comenta Rafaela Nogueira, gerente de relações institucionais no Nubank.

Segundo o BID, o fechamento de creches e escolas também impactou mais as mulheres ao trazer o acúmulo de jornadas de trabalho, incluindo as empreendedoras.

“São mulheres que precisaram fechar seu negócio e que, por outro lado, sem a renda oriunda desse trabalho, vêm os homens com uma capacidade de poupança muito superior ao delas. Por isso, é fundamental questionar o que podemos fazer enquanto sociedade para superar os desafios do empreendedorismo feminino, e batalhar para que as lacunas de gênero sejam, se não eliminadas, ao menos reduzidas”, disse Renata Malheiros, coordenadora do Sebrae Delas, programa de aceleração de negócios liderados por mulheres.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos