Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.256,36
    -3.411,42 (-2,95%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.310,27
    -841,11 (-1,86%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,47
    +0,25 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.769,10
    -28,80 (-1,60%)
     
  • BTC-USD

    48.505,81
    +203,14 (+0,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    969,27
    -25,39 (-2,55%)
     
  • S&P500

    3.829,34
    -96,09 (-2,45%)
     
  • DOW JONES

    31.402,01
    -559,85 (-1,75%)
     
  • FTSE

    6.651,96
    -7,01 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    30.074,17
    +355,93 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.168,27
    +496,57 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    12.788,00
    -514,00 (-3,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7368
    +0,1663 (+2,53%)
     

Pandemia afeta mais as mulheres, também de forma social e econômica, diz OPAS

Natalie Rosa
·2 minuto de leitura

As mulheres vêm sendo mais afetadas pela COVID-19. Não só em relação à saúde, como também social e economicamente, segundo Carissa F. Etienne, diretora da OPAS (Organização Pan-Americana da Saúde), em declaração na última quarta-feira (3). A executiva pediu ainda uma maior atenção ao aumento da desigualdade de gênero durante a pandemia.

Para isso, Etienne diz que os países precisam ficar alerta e garantir que mulheres e meninas tenham o acesso necessário aos serviços de saúde. "Isso inclui linhas diretas de violência de gênero e serviços de saúde sexual e reprodutiva, que são serviços essenciais", comenta. Carissa diz ainda que, no início da pandemia, a atenção era voltada aos homens por eles serem os mais prováveis a terem a doença em sua forma grave, mas que isso mudou.

"As mulheres, que representam 70% dos profissionais de saúde do mundo, enfrentaram um enorme risco pessoal para cuidar de pacientes com COVID-19, mesmo quando tinham pouco equipamento de proteção à sua disposição", diz a diretora. Desde o início da pandemia, mais de um milhão de profissionais de saúde que trabalham na linha de frente nas Américas foram infectados pela doença, e quatro mil morreram, sendo a maioria mulheres.

<em>Imagem: Reprodução/Kate Trifo/Unsplash</em>
Imagem: Reprodução/Kate Trifo/Unsplash

Etienne destaca ainda as questões sociais, contando que muitas mulheres precisaram deixar seus empregos durante a pandemia para cuidar das famílias, prejudicando o bem-estar e a renda. "E as medidas contínuas de ficar em casa, juntamente com as tensões econômicas adicionais, estão aumentando os riscos de violência doméstica. Para muitas mulheres, o lar não é um espaço seguro", reforça.

A diretora da OPAS revelou também a situação atual da pandemia nas Américas, contando que, no total, mais de 1,8 milhão de pessoas ficaram doentes devido ao coronavírus, com o número de mortes chegando a mais de 47 mil. Na América do Norte, nos Estados Unidos e no Canadá os números estão caindo, enquanto no México estão apenas aumentando. Já na América Central, Guatemala e Honduras estão passando por um aumento de casos, além da República Dominicana, Haiti, Porto Rico e Cuba, com redução vista apenas no Caribe.

Na América do Sul, praticamente todos os países estão registrando aumento de infecções pela COVID-19. "Hoje estamos vendo que cidades, províncias e países que anteriormente conseguiram controlar os surtos de COVID-19 estão tendo um ressurgimento às vezes devastador de casos em nossa região e além. Isso deve servir como uma lição de que manter o vírus sob controle não é um esforço único, mas um compromisso constante enquanto a transmissão ainda está ativa", completa a diretora.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: