Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,80
    -0,56 (-1,07%)
     
  • OURO

    1.824,00
    -5,90 (-0,32%)
     
  • BTC-USD

    36.004,64
    +70,48 (+0,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,71
    -33,43 (-4,55%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.459,36
    -114,50 (-0,40%)
     
  • NIKKEI

    28.265,50
    -253,68 (-0,89%)
     
  • NASDAQ

    12.756,25
    -46,00 (-0,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3864
    -0,0062 (-0,10%)
     

Panamá vai contratar médicos de outros países para ajudar em pandemia

·1 minuto de leitura
(14 dez) Paramédicos chegam a hospital da Cidade do Panamá com paciente de 52 anos infectado pelo novo coronavírus

O governo do Panamá anunciou nesta terça-feira que irá contratar médicos de Cuba e outros países para ajudar na pandemia, a qual sobrecarregou o sistema de saúde do país, que reúne o maior número de infectados da América Central.

"O governo nacional tomou a decisão de trazer médicos de Estados Unidos, México, Venezuela, Colômbia e Cuba", anunciou o ministro da Saúde do Panamá, Luis Francisco Sucre. O governo não pôde contratar "recursos humanos especializados suficientes" para combater a pandemia, apesar de várias convocações para aumentar o número de médicos e enfermeiros nos centros de saúde, indicou. 

Com 4,2 milhões de habitantes, o Panamá soma cerca de 200 mil casos acumulados e 3.411 mortos. O país, que reabriu suas fronteiras em outubro e começou a retomar as atividades econômicas, vive seu momento mais crítico, com mais de 18 mil novos infectados e 218 óbitos nos últimos nove dias. A situação saturou os hospitais, alguns dos quais não podem receber novos pacientes.

jjr/mav/lda/lb