Mercado abrirá em 5 h 48 min

Palmeiras fez pior jogo com Abel Ferreira contra o Inter. Brasileiro já era?

Alexandre Praetzel
·2 minuto de leitura
Abel Ferreira viu a pior partida do Palmeiras sob seu comando, em Porto Alegre. Foto: Fernando Alves/AGIF
Abel Ferreira viu a pior partida do Palmeiras sob seu comando, em Porto Alegre. Foto: Fernando Alves/AGIF

A derrota de 2 a 0 para o Inter deixou o Palmeiras 12 pontos atrás do líder São Paulo, com um jogo a menos e ainda com o confronto direto para o tricolor, no Morumbi, faltando 13 jogos para o Verdão. Apesar da capacidade do time, a reação para buscar o título brasileiro será dificultada pelo envolvimento do Palmeiras nos dois mata-matas de semifinais da Copa do Brasil e Libertadores da América. O Palmeiras está a quatro jogos dos dois títulos e deverá priorizar os torneios. Para muitos torcedores nas redes sociais, a briga pela Série A acabou, com o tropeço em Porto Alegre.

Abel Ferreira admitiu que a equipe não foi bem, parando na força física do Inter e na arbitragem travada de Sávio Ferreira Sampaio. O Palmeiras cometeu mais de 20 faltas na partida e não teve criatividade para fugir da marcação colorada. O esquema com Veiga e Lucas Lima juntos, com Scarpa solto na frente, não funcionou. Os três não tocaram na bola, praticamente. Willian ficou isolado e Marcos Rocha e Viña não conseguiram apoiar. O meio-campo palmeirense foi nulo e Lomba não sujou o uniforme, no primeiro tempo.

Na segunda etapa, Breno Lopes entrou no lugar de Veiga, mas o Palmeiras seguiu sem força ofensiva. A equipe teve uma pequena melhora com Veron e Zé Rafael nas vagas de Viña e Danilo, com Scarpa passando a atuar como lateral-esquerdo. O Palmeiras incomodou mais o Inter, mas levou o segundo gol num contra-ataque onde Luan perdeu para Yuri Alberto, na corrida.

O desempenho do Palmeiras foi o pior sob o comando de Abel e serviu para o português concluir que é difícil atuar com três meias e apenas um atacante. Rony fez falta, por sua movimentação no ataque, e Veron é titular, pela velocidade e conclusão.

Para enfrentar América-MG e River Plate, o Palmeiras precisa voltar a ser competitivo nos três setores, repetindo as atuações sobre Bahia, Athletico, Fluminense e Libertad.

Acredito que a formação ideal seja Weverton; Gabriel Menino, Luan, Gómez e Viña; Danilo, Zé Rafael e Veiga; Veron, Rony e Scarpa.