Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    47.653,37
    +1.487,15 (+3,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7577
    +0,0188 (+0,28%)
     

Dançando com a prima: Palmeiras 0 x 0 Al Ahly (2 x 3 nos pênaltis)

Mauro Beting
·2 minuto de leitura

Dançando com a prima: Palmeiras 0 x 0 Al Ahly (2 x 3 nos pênaltis)

O primeiro campeão da Libertadores que acabou quarto colocado no Mundial de Clubes desde que a fórmula é adotada a partir de 2005. O primeiro a não marcar em dois jogos (e nos dois primeiros pênaltis...). Se disputa de terceiro lugar é pior do que dançar com a prima, levar um bolo dela consegue ser ainda pior.

Se não tinha mesmo como usar o termo “vergonha” ou “vexame” para a queda do Palmeiras na semifinal contra o bom Tigres (de grande receita e investimento), e mesmo que o Al Ahly tenha experiência no torneio e supremacia na África, voltar para o Brasil na quarta posição é péssimo. Ou é mais do que decepcionante – por mais inesperada e gloriosa que tenha sido a jornada libertadora do Palmeiras de 2020-21 (que garante um 2020 vencedor palmeirense, mesmo que jornalistas esportivos insistam em contrariar a lógica e persistam no clubismo tão doentio quanto risível).

Leia também:

O Palmeiras jogou um pouco melhor do que nas partidas anteriores. Criou mais chances que o Al-Ahly na partida. Mas não a ponto de ser injusto o empate sem grandes emoções e futebol. Como quase sempre é uma disputa de terceiro lugar. Como nunca aconteceu um quarto lugar como esse para um campeão sul-americano.

Abel armou o Palmeiras no 4-2-3-1 (como o egípcio Al-Ahly desfalcado de seus dois melhores jogadores suspensos). Felipe Melo devidamente recuperado ao lado de Patrick de Paula; Rony e Willian abertos, Veiga por dentro atrás de Luiz Adriano contra o bem armado campeão africano, pela sexta vez no Mundial de Clubes.

Na primeira meia hora, o eneacampeão africano foi melhor. Marcou melhor, aproveitou-se de erros defensivos brasileiros (inclusive um de Felipe Melo que gerou a primeira e melhor das duas chances egípcias, aos 27). O Palmeiras resolveu acordar e teve três boas chances.

A segunda etapa até teve mais lampejos palmeirenses. Mas pouca coisa. Que acabou pesando nos pênaltis. Rony ficou meia hora para recuar a bola ao goleiro. Weverton respondeu a la Weverton fazendo defesa sensacional na segunda cobrança. Luiz Adriano tirou demais do goleiro e jogou fora. O campeão egípcio mandou na trave esquerda. E então os times acertariam o pé até o útimo pênalti cobrado por Felipe Melo. Talvez desde Marcelinho Carioca x Marcos, na semifinal da Libertadores de 2000, não tenha havido tamanha torcida contrária.

Por isso a festa maior dos rivais do que seria a celebração se o Palmeiras tivesse feito o “dever” fora de casa.