Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.718,11
    +1.276,20 (+3,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Países acusam China de ataque cibernético à Microsoft

·1 minuto de leitura
Cologne, Germany - July 2, 2017: Microsoft office building. Microsoft is an American multinational technology company that develops, manufactures, licenses, supports and sells computer software
Cologne, Germany - July 2, 2017: Microsoft office building. Microsoft is an American multinational technology company that develops, manufactures, licenses, supports and sells computer software
  • Grupo é liderado pelos EUA

  • Ataques teriam ocorrido entre 2011 e 2018

  • Alvo eram empresas e universidades, principalmente

Uma coalisão de países liderada pelos Estados Unidos acusaram formalmente a China nesta segunda-feira (19) de promover ataques cibernéticos contra a empresa Microsoft.

Em março, a companhia informou que uma vulnerabilidade em seu sistema de contas de e-mail corporativas ou de estudantes foi explorada por "um grupo de espionagem cibernética ligado à China". A falha foi corrigida, de acordo com a Microsoft.

Leia também:

Se aliaram aos EUA na denúncias as Nações do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e da União Europeia, além do Reino Unido, Austrália, Nova Zelândia, Japão e Canadá.

Segundo informou o Departamento de Justiça dos EUA, quatro chineses, sendo três autoridades de segurança e um hackers, executaram a campanha global de invasões, que atacou dezenas de empresas, universidades e agências governamentais.

As ações ocorreram entre 2011 e 2018 e, de acordo com o governo norte-americano, tinham como foco a coleta de informações que seriam benéficas para empresas e negócios da China.

"Os Estados Unidos e países ao redor do mundo estão responsabilizando a República Popular da China por seu padrão de comportamento irresponsável, perturbador e desestabilizador no ciberespaço, que representa uma grande ameaça à nossa segurança econômica e nacional", afirmou o Secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, nesta segunda.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos