Mercado abrirá em 8 h 16 min
  • BOVESPA

    106.247,15
    -2.542,18 (-2,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.394,03
    -1.070,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,50
    +0,91 (+0,83%)
     
  • OURO

    1.814,30
    -1,60 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    29.128,58
    -723,34 (-2,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    649,31
    -21,37 (-3,19%)
     
  • S&P500

    3.923,68
    -165,17 (-4,04%)
     
  • DOW JONES

    31.490,07
    -1.164,52 (-3,57%)
     
  • FTSE

    7.438,09
    -80,26 (-1,07%)
     
  • HANG SENG

    20.179,30
    -464,98 (-2,25%)
     
  • NIKKEI

    26.427,13
    -484,07 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    11.926,25
    -9,25 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2359
    +0,0176 (+0,34%)
     

Pagamentos via QR Code dispararam no Brasil em 2021, revela estudo

O ano de 2021 foi mais um em que os pagamentos móveis e os e-commerce apresentaram grande crescimento — um resultado ainda decorrente da transformação digital ocorrida pela pandemia. E é esse contexto o avaliado pela pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box sobre pagamentos móveis e comércio móvel no Brasil, que visa mostrar o crescimento de informações e dados durante o período anterior.

Na edição referente a 2021 do estudo, foram entrevistados um total de 2 mil brasileiros com acesso à internet e que utilizam smartphones, que foram questionados sobre diferentes tópicos referentes ao e-commerce nacional. Compartilhamos alguns dos principais resultados a seguir:

Os principais mercados de 2021

<em>Os e-commerces mais utilizados pelos brasileiros em 2021. (Imagem: Reprodução/Panorama Mobile Time/Opinion Box)</em>
Os e-commerces mais utilizados pelos brasileiros em 2021. (Imagem: Reprodução/Panorama Mobile Time/Opinion Box)

Sobre o tópico dos principais varejos do Brasil, a pesquisa de 2021 mostrou a continuedade da tendência de 2020 e a ascensão meteórica do Shopee, que após ser quarto colocado em 2020, conquistou a primeira posição no ano passado, citado por 21% dos entrevistados como o app que eles mais utilizam para compras. Em seguida, veio o iFood, com 15%, Mercado Livre, com 14%, e Americanas, com 9%.

O Shopee também se destacou na faixa etária de 16 a 29 anos, em que se provou o principal app utilizado por 30% dos entrevistados que se encaixam nessa amostra. O percentual apresenta queda para 19% no grupo entre 30 e 49 anos, e despenca para 13% entre os consumidores móveis com 50 anos ou mais.

Por fim, também existe uma diferença significativa de acordo com a classe social: o Shopee é o preferida de 23% dos consumidores móveis das classes C, D e E e de 14% daqueles das classes A e B.

QR Code chegou para ficar

<em>Crescimento dos QR Codes em comércios brasileiros em 2021. (Imagem: Reprodução/Panorama Mobile Time/Opinion Box)</em>
Crescimento dos QR Codes em comércios brasileiros em 2021. (Imagem: Reprodução/Panorama Mobile Time/Opinion Box)

Quanto a pagamentos móveis, o QR Code foi o que mais brilhou em 2021, por conta do contexto dos consumidores voltarem a comprar presencialmente, mas preferirem formas de transações via aproximação como proteção de infecções como a da covid. Os dados mostram que 67% dos brasileiros com smartphone já experimentaram esse tipo de transação nos últimos 12 meses.

Demograficamente, o pagamento via QR Code é mais popular entre jovens de 16 a 29 anos (74%) que entre aqueles de 30 a 49 anos (70%) e com 50 anos ou mais (52%). Também é mais comum nas classes A e B (72%) que nas C, D e E (66%).

Outras formas de pagamento, como o pagamento via aproximação a partir de leitores NFC, também apresentaram crescimento. Uma parcela de 41% dos entrevistados afirmaram ter experimentado a tecnologia em 2021 — um número alto considerando que nem todo smartphone é compatível com a tecnologia. Demograficamente, esse tipo de transação é mais popular entre jovens de 16 a 29 anos (46%) que nos grupos de 30 a 49 anos (38%) e com 50 anos ou mais (40%), e apresenta poucas diferenças socialmente, com seu uso bem distribuído entre as classes A e B (43%), classes C, D e E (40%).

Empréstimos e juros

<em>Os valores de empréstimos via app contratados em 2021. (Imagem: Reprodução/Panorama Mobile Time/Opinion Box)</em>
Os valores de empréstimos via app contratados em 2021. (Imagem: Reprodução/Panorama Mobile Time/Opinion Box)

Por fim, a pesquisa também apresenta dados sobre os brasileiros que estão contratando empréstimos por meio de aplicativos móveis de bancos, que geralmente oferecem taxas especiais e convidativas para a assinatura do contrato — o que explica a razão desse tópico ter passado de 25% no começo de 2021 para 32% no fim do período.

Pouco mais da metade dessas pessoas que contrataram empréstimos pelo smartphone (55%) pegaram valores entre R$ 1 mil e R$ 9,9 mil, enquanto 25% pegaram quantias menores, entre R$ 100 e R$ 999. Por fim, uma minoria (5%) contratou valores abaixo de R$ 100, o chamado microcrédito.

Demograficamente, a incidência de empréstimos via celular é maior no grupo de 30 a 49 anos (35%) que entre jovens de 16 a 29 anos (29%) e entre aqueles com 50 anos ou mais (29%). Por fim, na análise por classe social, 33% das pessoas das classes C, D e E já pegaram dinheiro emprestado via aplicativos, contra 27% daquelas das classes A e B.

Mais informações da pesquisa podem ser conferidas neste link.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos