Mercado abrirá em 4 h 56 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,65
    -0,40 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.694,80
    +16,80 (+1,00%)
     
  • BTC-USD

    53.549,01
    +3.242,18 (+6,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.079,28
    +55,07 (+5,38%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.719,13
    0,00 (0,00%)
     
  • HANG SENG

    28.591,22
    +50,39 (+0,18%)
     
  • NIKKEI

    29.027,94
    +284,69 (+0,99%)
     
  • NASDAQ

    12.456,75
    +159,50 (+1,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9831
    +0,0233 (+0,33%)
     

Pagamento com cartão deve atingir 50% do consumo das famílias no Brasil em 2021

Aluisio Alves
·1 minuto de leitura

Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - Os meios eletrônicos devem pela primeira vez representar metade das compras do varejo no Brasil em 2021, previu nesta terça-feira o presidente da Abecs, Pedro Coutinho, à medida que a economia se recupera dos efeitos da pandemia de Covid-19.

A entidade, que representa emissoras de cartões de crédito e de débito, previu nesta terça-feira que os pagamentos feitos por estes canais devem crescer de 18% a 20% em 2021, para 2,38 trilhões de reais.

No ano passado, mesmo com a queda estimada em cerca de 4% do Produto Interno Bruto (PIB) do país, diante da crise provocada pela pandemia, os pagamentos com cartões cresceram 8,2%, para 2 trilhões de reais, com impulso do auxílio emergencial e da migração para canais digitais. Deste total, 52,6 bilhões de reais deveram-se a pagamentos feitos com recursos do auxílio emergencial.

Segundo Coutinho, uma extensão deste auxílio, que foi admitida na véspera pelo presidente Jair Bolsonaro, poderia movimentar de 10 bilhões a 12 bilhões adicionais no mercado de cartões neste ano, se feito nos moldes discutidos, de três parcelas de 200 reais e para um público mais restrito.

"A extensão do auxílio pode dar um reforço para o comércio e para o consumo", disse ele em teleconferência com jornalistas.

O segmento de eletroeletrônicos foi um dos setores que mais sentiram o efeito da redução do auxílio emergencial, chegando a subir 30% no terceiro trimestre de 2020, no comparativo anual, reduzindo a alta para 24% nos últimos três meses do ano.

No varejo alimentício, após quatro trimestres seguidos de aceleração, as vendas se estabilizaram, também em meio à redução do valor do auxílio emergencial.