Mercado abrirá em 3 h 24 min
  • BOVESPA

    130.207,96
    +766,93 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.029,54
    -256,92 (-0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,14
    +0,26 (+0,37%)
     
  • OURO

    1.866,70
    +0,80 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    40.037,69
    +13,22 (+0,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.004,80
    +35,96 (+3,71%)
     
  • S&P500

    4.255,15
    +7,71 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.393,75
    -85,85 (-0,25%)
     
  • FTSE

    7.173,57
    +26,89 (+0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.144,75
    +20,00 (+0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1523
    +0,0208 (+0,34%)
     

Paes afirma que resultado de operação não é normal, mas critica limites impostos por STF

·2 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD), criticou nesta sexta-feira (7) a política de segurança do governo estadual após a operação policial que matou 25 pessoas na favela do Jacarezinho, na zona norte da cidade.

Ao mesmo tempo, Paes criticou a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que impôs limites para a realização de operações policiais em favelas do estado.

"De um lado a população elege um sujeito que diz que dar um tiro na cabecinha é algo absolutamente normal. De outro lado há decisões da corte mais alta do país que proíbe o estado de exercer o monopólio da força em determinadas áreas da cidade. São duas visões absolutamente radicais", disse Paes.

Num discurso de 25 minutos sobre o episódio, Paes afirmou que o resultado da operação "é fruto de políticas de segurança pública inexistentes e equivocadas que colocam os policiais permanente em risco e permitem que setores marginais tomem conta de uma parte da cidade".

"Se a reação à operação de ontem for tão radical quanto à operação de ontem, nós vamos viver esse pêndulo terrível que vitimam essas pessoas que moram nas comunidades. Um dia o estado entra de maneira violenta, e em outra os criminosos dominam aquele território de maneira muito violenta também", afirmou Paes, ao fim da divulgação do boletim epidemiológico da cidade em meio à pandemia.

Assim como a Polícia Civil, Paes afirmou que a decisão do STF acabou por fortalecer o domínio territorial das facções criminosas.

"Faço política nessa cidade há 30 anos. Nunca vi nada parecido, sob ponto de vista de domínio territorial do poder paralelo, o que eu vi na campanha eleitoral em 2020 e agora como prefeito", afirmou ele, que disse ter cancelado uma visita à favela Vila Aliança no último sábado (1º) em razão de problemas de segurança.

Paes aproveitou para defender a reabertura das escolas municipais em meio à pandemia como uma forma de presença do estado além da polícia nestas áreas. As crianças do Jacarezinho são atendidas por 18 escolas, segundo o prefeito.

"Por que a escola tem que abrir? Porque as crianças do Jacarezinho estão há um ano e meio sem ter aulas. Tem presença mais importante do estado do que dar aula? Do que alimentar numa escola municipal? Não tem. Quando a gente força a mão, estica a corda para voltar às aulas, é por isso", disse ele.