Mercado fechará em 4 h 17 min
  • BOVESPA

    109.285,23
    +1.271,76 (+1,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.823,23
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,70
    -0,26 (-0,30%)
     
  • OURO

    1.844,50
    +1,30 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    42.705,04
    +283,24 (+0,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.015,94
    +20,68 (+2,08%)
     
  • S&P500

    4.567,73
    +34,97 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    35.241,03
    +212,38 (+0,61%)
     
  • FTSE

    7.570,16
    -19,50 (-0,26%)
     
  • HANG SENG

    24.952,35
    +824,50 (+3,42%)
     
  • NIKKEI

    27.772,93
    +305,70 (+1,11%)
     
  • NASDAQ

    15.211,00
    +177,50 (+1,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1489
    -0,0185 (-0,30%)
     

Padre Fábio de Melo emociona ao homenagear a mãe:

·2 min de leitura

Padre Fábio de Mello deixou os admiradores emocionados ao compartilhar uma homenagem à mãe. Ana Maria Melo, a Dona Ana, morreu em março, aos 83 anos. Esta seria a data em que ela completaria 84 anos, e o padre dedicou a ela palavras bastante carinhosas. Para ilustrar a publicação, mostrou um registro dos dois, que eram muito próximos.

"Dona Ana, hoje seria o seu aniversário. Era sempre um prazer realizar os seus desejos, como contratar um grupo de pagode para animar a festa. A senhora era tão mais festeira do que eu… Colocava dança nos pés, mesmo quando não havia música", começa o padre, que continua:

"Diante do silêncio que nos separa, enfrento o abismo de sua ausência, dou vazão à saudade que sinto da senhora. Sabe, minha mãe, depois que a senhora se foi, eu passei a ter a necessidade de acreditar na eternidade. Não que eu não acreditasse antes. Mas eu acreditava com os escrúpulos que não me permitiam imaginar um tempo e um espaço eterno. Hoje, por incrível que pareça, minha mãe, o seu filho imagina o céu como uma cidade bem pequenininha, com pracinha, coreto, jardins..."

A senhora morando numa casa bem bonita, de esquina, pintada de azul clarinho, e eu, o padre da cidade, como a senhora sempre imaginou que seria. Nós dois com todo o tempo do mundo, sendo um do outro, sem dietas, sem restrições, sem ossos que quebram, sem tendões que se rompem, sem pulmões que falham, sem corações que param...

À tarde, quando estivesse na hora da missa, a senhora entraria na igreja, sem fazer alarde, sentaria no primeiro banco, como sempre o fez, só para me conceder a graça de tê-la dentro dos meus olhos, sem obstáculos, sem desvios, porque a senhora sempre soube, minha mãe, mas morreu sem me dizer — pois a modéstia era sua marca — que tudo o que eu falo sobre Jesus eu aprendi foi observando a senhora viver.

Se for assim, minha mãe, guarde um quartinho em sua casa pra mim."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos