Mercado abrirá em 3 mins
  • BOVESPA

    124.612,03
    -1.391,83 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.910,53
    +12,74 (+0,03%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,22
    +0,57 (+0,80%)
     
  • OURO

    1.797,70
    -2,10 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    39.804,69
    +1.433,59 (+3,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    932,04
    +55,81 (+6,37%)
     
  • S&P500

    4.401,46
    -20,84 (-0,47%)
     
  • DOW JONES

    35.058,52
    -85,79 (-0,24%)
     
  • FTSE

    7.005,80
    +9,72 (+0,14%)
     
  • HANG SENG

    25.473,88
    +387,45 (+1,54%)
     
  • NIKKEI

    27.581,66
    -388,56 (-1,39%)
     
  • NASDAQ

    15.009,50
    +61,75 (+0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0956
    -0,0128 (-0,21%)
     

‘Padrões galácticos’ são encontrados em tumbas islâmicas antigas

·3 minuto de leitura
‘Padrões galácticos’ são encontrados em tumbas islâmicas antigas
‘Padrões galácticos’ são encontrados em tumbas islâmicas antigas

Milhares de tumbas antigas islâmicas, que datam do período medieval, foram dispostas em “padrões galácticos” bem difíceis de serem detectados. As sepulturas em questão foram encontradas na região de Kassala, no leste do Sudão, país localizado no nordeste da África. Para entender a lógica dos povos antigos, os pesquisadores usaram um método projetado originalmente para a cosmologia.

A equipe utilizou imagens de satélite para identificar a localização de mais de 10.000 monumentos, que vão desde túmulos feitos de pedra, que são estruturas mais simples, espalhadas por toda a pré-história. E vão até as chamadas “cubas”, um termo genérico que se refere às tumbas, santuários e estruturas mortuárias islâmicas.

Depois que os pesquisadores mapearam os monumentos funerários, eles tiveram uma série de problemas na interpretação dos dados, uma vez que não foram muitas as tumbas escavadas. Para

interpretar a razão pela qual os túmulos estavam dispostos daquela forma, foram usados dados colhidos anteriormente, que permitiram criar a hipótese do seguimento de padrões galácticos.

Leia mais:

Em um primeiro momento, as tumbas pareciam agrupadas de maneira aleatória, porém, os pesquisadores suspeitaram que poderia haver um significado mais profundo implícito no arranjo dessas tumbas antigas. Então, os cientistas fizeram uma busca por técnicas de modelagens estatísticas que pudessem auxiliá-los no encontro de padrões.

Método inovador

O método escolhido foi o processo de agrupamento Neyman-Scott, desenvolvido originalmente para estudar estrelas e galáxias, que não é muito comum de ser usado em estudos de arqueologia e paleontologia. A principal característica desse modelo reside no fato de que ele pode lidar com conjuntos de dados arqueológicos que não possuem dados de escavação e registros históricos.

Leia mais:

Porém, seu uso exige um número muito grande de elementos, que são a base para análises estatísticas significativas. Usando esse modelo, os pesquisadores conseguiram perceber que as tumbas islâmicas escondiam vários aglomerados menores em torno de túmulos maiores, que seriam algo como “centros” de atração para enterros subsequentes.

Ao que parece, essa disposição era impulsionada pela sacralidade geral da localização, ou seja, esses túmulos centrais seriam de pessoas de maior graduação na sociedade, com os “cidadãos comuns” sendo sepultados ao redor deles. Além disso, outros fatores alteravam a construção das tumbas, como a disponibilidade de materiais para construção e topografia.

Área com tumbas no Sudão
Outros aspectos afetavam a construção das tumbas, como a topografia. Crédito: Stefano Costanzo/ESA

Elogios e críticas

Procurados pelo Science Alert, outros arqueólogos e paleontólogos elogiaram o método escolhido pela equipe, classificando o feito como uma adição interessante e potencialmente valiosa para futuras escavações em áreas parecidas com a encontrada no Sudão. Porém, não deixou de gerar alguma preocupação em alguns especialistas.

De acordo com o professor de modelagem arqueológica e paleoambiental da Universidade de Bournemouth, no Reino Unido, o fato de a equipe incluir tumbas de períodos diferentes “no mesmo bolo” é arriscado. Segundo ele, isso pode acabar fazendo que diferentes tradições funerárias sejam encaradas como uma coisa só, podendo gerar distorções.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos