Mercado abrirá em 2 h 15 min
  • BOVESPA

    110.140,64
    -1.932,91 (-1,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.874,91
    -1.144,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,14
    +0,26 (+0,34%)
     
  • OURO

    1.928,30
    -2,50 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    23.451,15
    -357,42 (-1,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,36
    -9,96 (-1,83%)
     
  • S&P500

    4.179,76
    +60,55 (+1,47%)
     
  • DOW JONES

    34.053,94
    -39,02 (-0,11%)
     
  • FTSE

    7.834,30
    +14,14 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.657,00
    -189,75 (-1,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4917
    +0,0020 (+0,04%)
     

Pacote da Fazenda reacende queda de braço tributária entre indústria e serviços

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A expectativa pelo pacote de ajuste fiscal anunciado pelo governo nesta quinta (12) reacendeu a queda de braço no debate tributário entre os representantes da indústria e dos serviços.

Antes do anúncio, enquanto ainda circulava a hipótese de uma revogação no corte do IPI, setores da indústria argumentavam que os mais pobres consomem menos serviços que os ricos e são mais prejudicados quando se elevam os tributos sobre os produtos.

A Cebrasse (que representa o setor de serviços), por sua vez, rebate dizendo que é um erro restringir a conversa à tributação sobre o consumo. "Sobre consumo tem IPI, ICMS PIS, Cofins e ISS. Mas temos outros tributos como INSS, sobre a folha", afirma a Cebrasse.

O diretor técnico da Cebrasse, Jorge Segeti, afirma que o maior custo do setor de serviços é a mão de obra, que tem alta carga tributária. "Diferentemente da indústria, que trocou a sua mão de obra por processos mais automatizados com máquinas, nosso setor vem garantindo os empregos do país", afirma.