Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.812,39
    +349,48 (+0,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Pacientes com câncer de pulmão têm sobrevida aumentada em até 7 vezes com tratamento de precisão

·1 minuto de leitura
Pacientes com câncer de pulmão têm sobrevida aumentada em até 7 vezes com tratamento de precisão
Pacientes com câncer de pulmão têm sobrevida aumentada em até 7 vezes com tratamento de precisão

A medicina de precisão é aplicada para o tratamento de alguns tipos de câncer, principalmente de pulmão. A técnica consiste em agir em um gene específico, para destruir a amostra contaminada. O tratamento pode aumentar em até sete vezes a sobrevida de um paciente.

Há pouco mais de 20 anos a quimioterapia era basicamente a única forma de tratamento concreto contra a doença e na época a os pacientes com câncer de pulmão agressivo e metastático tinham sobrevida média de 12 meses. Atualmente, com as técnicas modernas, a médica é de cerca de 90 meses.

Tratamentos para o câncer de pulmão

O câncer de pulmão é principalmente perigoso pois a cirurgia não é uma opção de tratamento quando o tumor é descoberto em fase avançada. Para isso, os genes mais importantes que são usados no tratamento são: o EGFR, que aparece em cerca de 25% dos casos de câncer de pulmão; o ALK, presente em 7%, além do ROS/BRAF/HER-2 e do K-RAS que somados estão em 7% dos casos.

Leia mais:

“A imunoterapia preenche essas lacunas. Os pacientes podem receber quimioterapia e imunoterapia concomitantemente ou apenas imunoterapia. Depende das características de expressão de PD-L1 no tumor. Quanto mais expresso – e isso o médico patologista investiga por imuno-histoquímica – mais propenso será o paciente a responder ao tratamento”, explica Felipe D´Almeida Costa, diretor de Ensino da Sociedade Brasileira de Patologia ao portal Medicina S/A.

Via Medicina S/A

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos