Mercado fechará em 2 h 9 min
  • BOVESPA

    125.317,10
    +705,07 (+0,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.082,85
    +172,32 (+0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,35
    +0,70 (+0,98%)
     
  • OURO

    1.797,70
    -2,10 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    39.242,83
    +1.390,55 (+3,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    921,56
    -8,37 (-0,90%)
     
  • S&P500

    4.396,33
    -5,13 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.928,62
    -129,90 (-0,37%)
     
  • FTSE

    7.016,63
    +20,55 (+0,29%)
     
  • HANG SENG

    25.473,88
    +387,45 (+1,54%)
     
  • NIKKEI

    27.581,66
    -388,56 (-1,39%)
     
  • NASDAQ

    14.962,25
    +14,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1102
    +0,0018 (+0,03%)
     

Países nórdicos enfrentam onda de calor recorde; Finlândia registra dia mais quente desde 1914

·1 minuto de leitura
Países nórdicos enfrentam onda de calor recorde; Finlândia registra dia mais quente desde 1914
Países nórdicos enfrentam onda de calor recorde; Finlândia registra dia mais quente desde 1914

As altas temperaturas no continente europeu seguem a onda de calor recorde que causou devastação na América do Norte. Apenas no estado de Oregon, segundo o The Guardian, a intensa onda de calor já matou 95 pessoas.

A tendência continua nos países nórdicos. Várias partes da Suécia registraram altas temperaturas no último fim de semana, com máximas de 34 °C. Já na Finlândia, um novo recorde foi registrado no último domingo (4).

A temperatura na região de Keno, extremo norte do país, atingiu os 33,6 °C, o que segundo os especialistas corresponde ao dia mais quente desde 1914.

Homem com calor na frente de um ventilador
O instituto meteorológico da Noruega registrou 34 °C em um condado próximo ao Círculo Polar. Essa é a temperatura mais alta medida no país este ano. Imagem: Monika Wisniewska/Shutterstock

Michael Reeder, professor de meteorologia da Universidade de Monash na Austrália, afirma que existe uma ligação entre os eventos registrados na Europa e na América do Norte.

Reeder disse que tudo começou com uma baixa tropical perto do Japão, que perturbou a atmosfera criando ondulações (fato conhecido como ‘onda de Rossby’). Essa onda “quebrou” no oeste do Canadá, desencadeando as condições perfeitas para a onda de calor se formar.

“É como tocar uma corda de violão. O distúrbio se propagou pelas correntes de vento”, disse Reeder. Em seguida, o fenômeno desencadeou outra onda sobre o Atlântico Norte, que por sua vez, produziu as condições para as altas temperaturas vistas nos países nórdicos.

Leia mais:

Especialistas temem que as condições devem piorar nos próximos meses. Enquanto isso, o Canadá segue lutando contra uma série de incêndios florestais após sofrer com temperaturas de até 49,6 °C, um novo recorde nacional.

Várias partes do mundo também registraram ondas de calor este ano. No hemisfério sul, o mês de junho (um mês de inverno) também foi o mais quente já registrado na Nova Zelândia.

Fonte: The Guardian

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos