Mercado fechado
  • BOVESPA

    126.003,86
    +951,08 (+0,76%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.897,79
    +629,34 (+1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,14
    +0,23 (+0,32%)
     
  • OURO

    1.796,80
    -2,40 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    37.351,79
    +2.195,39 (+6,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    905,01
    -10,48 (-1,14%)
     
  • S&P500

    4.422,30
    +10,51 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    35.144,31
    +82,76 (+0,24%)
     
  • FTSE

    7.025,43
    -2,15 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    26.192,32
    -1.129,66 (-4,13%)
     
  • NIKKEI

    27.833,29
    +285,29 (+1,04%)
     
  • NASDAQ

    15.116,00
    -1,75 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1089
    -0,0014 (-0,02%)
     

Países latino-americanos perderam capacidade de combater corrupção, diz relatório

·2 minuto de leitura

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - A capacidade das nações da América Latina para combaterem a corrupção diminuiu ao longo do último ano, já que a pandemia de coronavírus absorveu recursos e ofereceu a políticos de alguns países a chance de enfraquecer órgãos judiciais, de acordo com um relatório publicado nesta segunda-feira.

A pesquisa anual de 15 países latino-americanos, compilada pela Americas Society/Council of the Americas and Control Risks, descobriu um declínio na eficiência e na independência de agências anticorrupção em quase todas estas nações.

O índice avalia o quão eficazmente os países conseguem combater a corrupção com base em variáveis como transparência governamental, recursos judiciais e a qualidade da imprensa. A Venezuela foi considerada a menos preparada das 15 nações, e o Uruguai foi a melhor.

O Índice de Capacidade para Combater a Corrupção (CCC) também mostrou recuos consideráveis na capacidade de combater a corrupção nos dois países mais populosos que são também as maiores economias da América Latina: Brasil e México.

Em um momento no qual tanto o investimento estrangeiro quanto o doméstico na América Latina atinge baixas de vários anos, dúvidas crescentes a respeito da aplicação do Estado de Direito e da qualidade das instituições judiciais estão minando a confiança empresarial, disse o relatório.

O Brasil registrou a queda mais acentuada em suas notas anuais, influenciadas pelo desmantelamento da Lava Jato em fevereiro e pela indicação da parte do presidente, Jair Bolsonaro, de autoridades vistas como menos independentes para o comando da Polícia Federal e da Procuradoria-Geral da República.

O México viu sua nota diminuir pelo terceiro ano, o que o relatório disse ter refletido em parte os cortes orçamentários consideráveis no Sistema Nacional Anticorrupção, um rescaldo de medidas de austeridade adotadas para lidar com o impacto econômico da pandemia.

A Guatemala também recuou nos rankings após o fechamento de um organismo anticorrupção apoiado pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2019. Uma Comissão Presidencial contra a Corrupção, criada no ano passado e sob o controle direto do Executivo, não realizou nenhuma grande investigação, disse o relatório.

Das notas mais altas às mais baixas, os países avaliados no índice foram Uruguai, Chile, Costa Rica, Peru, Argentina, Brasil, Colômbia, Equador, Panamá, República Dominicana, México, Paraguai, Guatemala, Bolívia e Venezuela.

((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447759)) REUTERS ES

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos