Mercado fechará em 2 h 49 min
  • BOVESPA

    129.903,20
    -304,76 (-0,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.907,03
    -122,51 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,04
    +1,16 (+1,64%)
     
  • OURO

    1.854,20
    -11,70 (-0,63%)
     
  • BTC-USD

    40.258,68
    +132,95 (+0,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.002,85
    -7,76 (-0,77%)
     
  • S&P500

    4.244,32
    -10,83 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.265,93
    -127,82 (-0,37%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.040,00
    -84,75 (-0,60%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1663
    +0,0348 (+0,57%)
     

Países do G7 se comprometem a não financiar centrais de carvão ao final de 2021

·2 minuto de leitura
Os ministros do meio ambiente dos países do G7 anunciam sua intenção de encerrar a ajuda pública às usinas termelétricas a carvão em 2021

O Grupo dos Sete países mais industrializados do mundo (G7) decidiu, nesta sexta-feira (21), deixar de financiar centrais térmicas de carvão no final deste ano para contribuir para a luta contra as mudanças climáticas.

Os países mais ricos do planeta também se comprometem a "descarbonizar (reduzir as emissões de carbono)" de suas fontes de energia elétrica ao longo da década de 2030, segundo o comunicado final.

Isso significa reduzir drasticamente o uso do petróleo, gás e carvão para produzir eletricidade.

"O G7 reconhece que qualquer novo investimento na produção de eletricidade a partir do carbono no mundo deve parar imediatamente, já que não é compatível com o objetivo" de limitar o aquecimento do planeta a um máximo de 1,5º C até o final do século, como foi estabelecido no Acordo de Paris, diz o comunicado.

"É um passo adiante importante, porque só assim nós, os países industrializados, podemos exigir credivelmente que outros nos sigam nesse caminho", explicou a ministra alemã do Meio Ambiente, Svenja Schulze.

Os membros do clube de países ricos estão comprometidos com o objetivo de alcançar a neutralidade em termos de emissões de carbono "no mais tardar em 2050". A Alemanha aumentou recentemente seus objetivos climáticos para chegar a essa meta em 2045.

O Reino Unido, que preside atualmente o G7, organizará a conferência sobre o clima COP26 presencialmente em novembro em Glasgow (Escócia).

A medida "estabelece as bases de uma transição radical para a energia limpa", acrescentou a ministra francesa do Meio Ambiente, Barbara Pompili, elogiando a decisão do Japão de aderir à iniciativa.

Os países integrantes do G7 são Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Estados Unidos e Reino Unido. São os principais fabricantes de automóveis do mundo, e com esta medida, se comprometem a "acelerar radicalmente" a transição desse setor para as energias limpas, indicou o texto.

O grupo deixará de subsidiar o setor dos combustíveis fósseis em 2025.

E, ao mesmo tempo, afirma o comunicado, estabelece novas metas ambientais: conservar ou proteger pelo menos 30% da superfície do planeta e pelo menos 30% da superfície do mar até 2030.

Na Conferência do Clima (COP) de 2015, em Paris, a comunidade internacional se comprometeu a tomar medidas para limitar o aumento da temperatura média do planeta a menos de 2ºC, e ou igual a 1,5ºC.

Mas a grande maioria dos emissores de gases de efeito estufa do planeta não conseguiu implementar seus objetivos de curto e médio prazo.

A COP26 em Glasgow é "a última esperança" para manter esse objetivo de forma realista, segundo o presidente do evento climático, o legislador britânico Alok Sharma.

smk/mat/bds/jz/tjc/tt/aa/gf/mvv