Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,90
    -0,23 (-0,36%)
     
  • OURO

    1.777,30
    -2,90 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    56.585,97
    -3.319,13 (-5,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.281,49
    -110,22 (-7,92%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    29.206,11
    +236,40 (+0,82%)
     
  • NIKKEI

    29.718,81
    +35,44 (+0,12%)
     
  • NASDAQ

    14.023,00
    -6,50 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6678
    -0,0183 (-0,27%)
     

Países da UE apoiam uma maior transparência fiscal das multinacionais

·1 minuto de leitura
A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, chega ao Parlamento Europeu

Os Estados-membros da UE se pronunciaram nesta quinta-feira (25) a favor de uma diretiva para obrigar as multinacionais a publicar seus dados contábeis e fiscais, um projeto que está há cinco anos paralisado.

Este apoio deve ser formalizado mediante uma votação nos próximos dias - provavelmente em 3 de março - que permita ao Conselho Europeu, que representa os 27 países, iniciar negociações com o Parlamento Europeu e a Comissão para chegar a um compromisso definitivo.

França, Holanda, Bélgica, Itália, Espanha e Áustria apoiaram nesta quinta-feira a proposta de compromisso apresentada por Portugal, que atualmente ocupa a presidência rotativa da UE.

Já Luxemburgo, Chipre, Malta, Irlanda e Suécia se posicionaram contra, enquanto a Alemanha se absteve alegando que não concluiu suas consultas internas sobre o assunto.

A Comissão Europeia disse nesta quinta-feira que considera este projeto uma questão de transparência e não de harmonização fiscal, o que permite a votação por maioria qualificada sem exigir unanimidade entre os países membros.

O objetivo desta diretiva, apresentada por Bruxelas em 2016 após os escândalos de LuxLeaks e Panamá Papers, é obrigar as empresas a revelar seu faturamento e lucro, assim como a base tributável e os impostos que pagam nos diferentes países onde operam.

zap/ahg/mb/aa