Mercado abrirá em 10 mins
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,51
    +0,23 (+0,38%)
     
  • OURO

    1.716,50
    +0,70 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    49.412,39
    -1.865,71 (-3,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    991,58
    +4,37 (+0,44%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.620,53
    -54,94 (-0,82%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.930,11
    -628,99 (-2,13%)
     
  • NASDAQ

    12.640,50
    -41,25 (-0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7619
    -0,0168 (-0,25%)
     

País mais vacinado do mundo também enfrenta reabertura difícil

Ivan Levingston
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Enquanto o mundo espera por um retorno à normalidade com a distribuição de vacinas, Israel mostra que o caminho será longo e árduo.

Com quase metade da população de 9,3 milhões tendo recebido pelo menos uma dose de imunizante, Israel administrou mais vacinas contra a Covid per capita do que qualquer outro lugar. O país apostou na vacinação para começar a reabrir a economia. No domingo, teatros, estádios esportivos, hotéis e academias puderam abrir para pessoas que pudessem demonstrar - usando o aplicativo móvel “passe verde” - que receberam as duas doses ou se recuperaram do coronavírus. Os 30% da população elegível para o passe tem acesso a academias, piscinas e outras instalações semelhantes.

Mas mesmo que isso traga esperança para empresas fechadas por meses e para economias ao redor do planeta que gastaram trilhões de dólares para apoiar as pessoas durante as restrições, Israel mostra um novo normal que pode não se parecer muito com o mundo pré-pandemia por algum tempo.

Um exemplo é o Haifa Theatre, de Niza Ben Zvi, no norte de Israel, que se prepara para o primeiro show presencial desde meados do ano passado.

“Vi todas as luzes do saguão e me emocionei”, disse Ben Zvi, presidente do teatro. “Espero que seja só isso. Acabou, estamos voltando e não há mais restrições.”

Ainda assim, embora tenha esgotado os ingressos para o espetáculo “Bargain Market” que começa no final de fevereiro, o teatro só pode ter metade da ocupação, já que os convidados precisam se sentar separadamente. Não gera receita suficiente para cobrir produções de maior orçamento, como musicais.

Sem Turistas

Outros fatores econômicos importantes permanecem em pausa. O turismo é quase inexistente, já que o principal aeroporto do país está fechado para quase todos os voos até o início de março.

Após retração econômica de 2,4% no ano passado, o Banco de Israel prevê crescimento de mais de 6% neste ano se as iniciativas de vacinação rápida continuarem. Os riscos permanecem, especialmente se uma nova variante resistente à vacina se espalhar. Outro risco é que o governo - que enfrenta eleições em 23 de março - não forneça apoio fiscal suficiente para ajudar na transição econômica.

“A questão agora é como retirarmos cuidadosamente o estímulo para não desperdiçarmos dinheiro e ficarmos viciados no apoio do governo por um lado”, disse Adi Brender, chefe da divisão macroeconômica e de políticas do departamento de pesquisa do banco central. E “por outro lado, não eliminar o momentum, deixar as pessoas desamparadas cedo demais”.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.