Mercado fechará em 4 h 4 min
  • BOVESPA

    108.969,70
    -2.570,09 (-2,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.068,51
    +386,32 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,30
    +1,55 (+2,59%)
     
  • OURO

    1.703,80
    -29,80 (-1,72%)
     
  • BTC-USD

    50.655,76
    +1.557,44 (+3,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.013,63
    +25,54 (+2,58%)
     
  • S&P500

    3.851,72
    -18,57 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    31.452,74
    +61,22 (+0,20%)
     
  • FTSE

    6.644,22
    +30,47 (+0,46%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    12.896,50
    -158,75 (-1,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9299
    +0,0678 (+0,99%)
     

País mais vacinado, Israel luta contra mutações do coronavírus

Gwen Ackerman
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Com mais de 30% da população vacinada, Israel lidera a luta contra a Covid-19. Ainda assim, o surgimento de mutações mais contagiosas do vírus está sobrecarregando hospitais e mostrando o longo caminho que o resto do mundo terá de enfrentar.

Depois de inocular 82% dos cidadãos acima de 60 anos, impor um confinamento amplo durante quase um mês e fechar o aeroporto nacional esta semana, Israel sinaliza que a luz no fim do túnel pode estar longe. A situação diminui a esperança em um rápido processo de recuperação global motivado pela imunização em massa. Em Davos, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu prometeu que Israel ajudaria a mostrar ao mundo a rapidez da reabertura econômica proporcionada pela vacinação.

“Vemos uma onda de infecções que não diminui, aparentemente por causa da mutação”, disse o Ministro da Saúde, Yuli Edelstein, durante entrevista coletiva na quinta-feira.

Enquanto a União Europeia pena para conseguir quantidades adequadas de vacinas e os EUA tentam imunizar mais gente, a situação israelense evidencia a dificuldade de lutar contra um vírus cuja rápida capacidade de mutação o mantém um passo à frente dos esforços para contê-lo.

Os cidadãos de Israel que haviam sido vacinados representam 2% ou menos dos pacientes hospitalizados, disse a responsável pela Saúde Pública, Sharon Alroy-Preis, acrescentando que “eles estavam definitivamente mais protegidos”. Ainda assim, o número de pessoas que completaram o ciclo de imunização é pequeno demais para permitir conclusões sobre a eficácia da vacina, disse Ran Balicer, chefe da Equipe Nacional de Especialistas em Covid-19, ao canal de televisão Ynet.

A chamada variante britânica, 50% mais infecciosa e possivelmente mais virulenta do que a original, é responsável pela impossibilidade de conter a propagação da Covid-19 até o momento por meio da campanha de vacinação e do confinamento, afirmaram representantes do Ministério da Saúde de Israel.

Embora se acredite que a vacina funcione contra a variante britânica, o perfil mais contagioso da mutação implica mais infecções e, portanto, mais hospitalizações. O principal objetivo do Ministério da Saúde agora é reduzir o número de doentes graves que lotam os hospitais e exigem demais das equipes médicas.

A taxa de infecções em Israel caiu de 10,2% no início do mês para pouco mais de 9% e o número de pacientes graves ou em estado crítico se estabilizou em cerca de 1.100. Mas o número de pacientes intubados bateu recorde, segundo o comissário do governo para o coronavírus, Nachman Ash. Mais de 4.600 pessoas morreram de Covid em Israel e mais de 7.600 testam positivo para o vírus diariamente.

Balicer afirma que provavelmente vai demorar mais 10 dias para o país ver queda nos casos críticos, permitindo que a economia comece a voltar ao normal.

A meta de Netanyahu é vacinar todos os israelenses acima de 16 anos até o final de março.

“Quanto mais rápido vacinarmos e quanto mais rápido a população procurar as vacinas, mais rápido poderemos controlar a propagação”, disse Hezi Levi, diretor do Ministério da Saúde.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.