Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -1,53 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -23,70 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    37.552,48
    +1.446,64 (+4,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +76,96 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,12 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -142,00 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    -0,0485 (-0,75%)
     

País cria 414,5 mil vagas formais em novembro, recorde para o mês

THIAGO RESENDE
·3 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Foram criadas 414.556 vagas com carteira assinada no país em novembro, segundo dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) divulgados pelo Ministério da Economia nesta quarta-feira (23). É o quinto mês consecutivo de saldo positivo. O resultado do mercado de trabalho bateu recorde na série histórica para um mês de novembro,. Com a retomada da geração de postos de trabalho no segundo semestre, no acumulado de janeiro a novembro, o saldo passou a ser positivo, com o abertura de 227.025 vagas em ano de crise da Covid-19. Apesar do resultado positivo, o número é muito inferior à quantidade de vagas geradas no mesmo período do ano passado (948.344). Em 2020, o mercado de trabalho brasileiro apresenta, desde julho, uma recuperação após o fechamento de vagas no começo da crise do coronavírus --1,2 milhão de vagas desapareceram nos seis primeiros meses deste ano. O ministro Paulo Guedes (Economia) disse na semana passada esperar que, até o fim do ano, a perda de empregos formais seja zerada. "É possível que cheguemos ao fim desse ano perdendo zero empregos no mercado formal de trabalho", afirmou. Ele lembrou que o governo lançou um programa para evitar demissões em massa ao permitir a redução temporária de jornada e salário ou a suspensão do contrato. Com essa medida, a União paga ao trabalhador uma compensação para o trabalhador afetado. Tradicionalmente, o segundo semestre concentra a maior parte de contratações de temporários nas fábricas para produzir as demandas das festas de fim de ano. Mas, em dezembro, o resultado costuma ser negativo devido à dispensa desses trabalhadores. De acordo com dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quarta, o desemprego bateu novo recorde em novembro, atingindo 14 milhões de brasileiros. A taxa de desocupação chegou a 14,2%, o maior percentual da série histórica da Pnad Covid, pesquisa do IBGE iniciada em maio para mensurar os efeitos da pandemia no país. Esse indicador considera, além do mercado formal de trabalho, também o informal --diferente, portanto, do Caged. No setor formal, os dados do Caged apresentados pelo Ministério da Economia mostram que, em novembro, o país teve 1,532 milhão de contratações formais e 1,117 milhão de desligamentos. Isso resultou no saldo positivo de 414,5 mil novas vagas com carteira assinada no mês. O resultado foi puxado pelo setor de serviços, com a abertura de 179.261 vagas, e comércio, que gerou 179.077 novos postos de trabalho no mês. As cinco regiões do país registraram saldo positivo. Neste ano, o pior mês registrado pelo Caged foi abril, logo no início da pandemia. Em janeiro, foram gerados 114 mil empregos formais. Influenciado pela crise, o mercado de trabalho variou no ano: fevereiro (com saldo positivo de 224 mil), março (-268 mil), abril (-940 mil), maio (-362 mil), junho (-24 mil), julho (geração de 140 mil), agosto (com saldo positivo de 244 mil), setembro (criação de 311 mil) e outubro (com abertura de quase 395 mil).