Mercado abrirá em 3 h 21 min
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,48
    +0,57 (+0,80%)
     
  • OURO

    1.862,20
    -17,40 (-0,93%)
     
  • BTC-USD

    39.634,36
    +4.055,48 (+11,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    923,53
    -18,29 (-1,94%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.157,75
    +23,69 (+0,33%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.029,25
    +35,00 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1908
    -0,0018 (-0,03%)
     

S&P reafirma nota de crédito soberano em BB- para o Brasil, com perspectiva estável

·2 minuto de leitura
Fachada do prédio da S&P Global. 13/12/2018. REUTERS/Brendan McDermid.

BRASÍLIA (Reuters) - A agência de classificação de risco S&P Global manteve a nota de crédito soberano de longo prazo em moeda estrangeira do Brasil em BB-, com perspectiva estável, destacando que o país deve ter uma consolidação fiscal lenta até 2024, mas que a recuperação econômica neste ano deve ajudar a conter o endividamento.

Em relatório, a agência também afirmou que a janela de oportunidades para reformas se estreitará com a aproximação das eleições de 2022 e que, na ausência de um ritmo mais rápido de aprovação de medidas estruturais, o crescimento econômico deve permanecer moderado no médio prazo.

A expectativa da S&P é que o PIB brasileira cresça 4% neste ano, com alta de 2,2% ao ano no período 2022-2024.

A nota de crédito soberano de longo prazo BB- está em território especulativo, três graus abaixo do mínimo para "grau de investimento" (BBB-), a partir do qual o país tem selo de bom pagador.

"A perspectiva estável reflete nossas expectativas de recuperação econômica em 2021 e de redução gradual do déficit fiscal, o que deve resultar em um ritmo mais lento de acúmulo de dívida nos próximos dois anos, bem como em um desempenho externo sólido", disse a S&P.

"Esperamos que a ligeira melhora na trajetória fiscal e as amplas reservas de liquidez ajudem a preservar a confiança do mercado e as condições de financiamento adequadas para o governo nos mercados locais."

A melhora fiscal esperada para este ano é atribuída à redução dos gastos emergenciais e a "receitas fiscais dinâmicas" em meio à recuperação do crescimento.

Ainda sobre as eleições de 2022, a S&P disse que o presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva devem ser candidatos "competitivos, apesar de seus altos índices de rejeição".

"As iniciativas de política após a eleição e a capacidade de formular coalizões fortes serão fundamentais para a qualidade de crédito do Brasil."

Uma persistente fraqueza fiscal nos próximos dois anos que leve a novas pressões de financiamento para o governo a custos mais elevados de dívida e inflação pode levar a um rebaixamento da nota do Brasil. Se houver uma melhora fiscal mais rápida do que o esperado, por outro lado, o rating pode ser melhorado, disse a S&P.

Na semana passada, a Fitch Ratings reafirmou o rating do Brasil em "BB-", com perspectiva negativa, destacando a deterioração das contas fiscais e o fardo da dívida diante da incerteza com a evolução da pandemia e o processo de vacinação.

(Por Isabel Versiani)