Mercado fechará em 17 mins
  • BOVESPA

    99.931,63
    -1.085,33 (-1,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.046,34
    -199,52 (-0,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,59
    +1,03 (+2,67%)
     
  • OURO

    1.911,50
    +5,80 (+0,30%)
     
  • BTC-USD

    13.627,67
    +520,44 (+3,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    270,27
    +8,98 (+3,44%)
     
  • S&P500

    3.396,75
    -4,22 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    27.533,02
    -152,36 (-0,55%)
     
  • FTSE

    5.728,99
    -63,02 (-1,09%)
     
  • HANG SENG

    24.787,19
    -131,59 (-0,53%)
     
  • NIKKEI

    23.485,80
    -8,54 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    11.561,50
    +69,25 (+0,60%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7003
    +0,0598 (+0,90%)
     

PMs podem ser punidas por mau uso da farda no Tik Tok

·1 minuto de leitura
Vídeo foi postado no Tik Tok em abril (Foto: Reprodução/ Instagram)
Vídeo foi postado no Tik Tok em abril (Foto: Reprodução/ Instagram)

A polícia militar do Piauí está investigando sete funcionárias da corporação por terem cometido uma “transgressão disciplinar”. As policiais participaram de um “desafio” no Tik Tok, em que trocavam de roupa e colocavam a farda da PM.

Segundo informações do portal G1, a polícia instaurou um inquérito e duas sindicâncias para verificar se houve “uso indevido de uniforme” e também por “falta de autorização no uso de fardamento”.

O vídeo foi publicado em abril. A sargento Elineuda Morais, que participou do desafio, explicou ao G1 que viu no vídeo uma maneira de “enaltecer a beleza da policial” e de valorizar o trabalho feito por elas. “Convidei as meninas e elas aceitaram”, conta. Depois, ela juntou os vídeos e publicou.

Leia também:

A sargento ainda disse que se surpreendeu ao receber a portaria que instaurará os fatos. “Na portaria não tem dizendo o que nós fizemos, só diz que foi transgressão, mas lá não aponta nenhuma. Então, nós nem sabemos do que estamos sendo acusadas”, disse.

Em nota, a PM do Piauí negou que se trate de machismo. “Diferentemente do que vem sendo divulgado, não existe qualquer espécie de preconceito ou "machismo" dentro da Instituição, pois casos similares estão sendo objeto de apuração com o efetivo masculino, sempre dentro da legalidade e imparcialidade”, justificam.