Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.322,45
    -38,40 (-0,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

S&P fecha em alta após ata do Fed confirmar foco na inflação

Por Sinéad Carew e Amruta Khandekar

(Reuters) - O índice S&P 500 encerrou em alta nesta quarta-feira na esteira da divulgação da ata da última reunião do Federal Reserve, que mostrou as autoridades do banco central norte-americano focadas em controlar a inflação, mesmo depois de concordarem em desacelerar o ritmo de aumentos da taxa de juros.

Autoridades presentes na reunião de política monetária do Fed de 13 a 14 de dezembro concordaram que o banco central dos Estados Unidos deve continuar a aumentar o custo do crédito para controlar o ritmo dos saltos dos preços, mas de forma gradual com o objetivo de limitar os riscos ao crescimento econômico.

Enquanto alguns gestores de recursos disseram que a ata não incluiu surpresas, o mercado parecia ter esperanças de algum sinal de que o Fed estava pelo menos considerando afrouxar o aperto monetário.

O Dow Jones subiu 0,4%, para 33.269,77 pontos. O S&P 500 ganhou 0,75%, para 3.852,97 pontos. O Nasdaq avançou 0,69%, para 10.458,76 pontos.

O índice de tecnologia do S&P 500, que é mais sensível aos juros, perdeu algum terreno após a divulgação da ata antes de fechar em 0,26%. Até mesmo o setor bancário, que se beneficia de juros mais elevados, reduziu os ganhos, mas ainda fechou em alta de 1,9%.

Energia foi o mais fraco dos 11 principais setores industriais do S&P, subindo 0,06%, enquanto o imobiliário foi o mais forte, e encerrou em alta de 2,3%, seguido por um ganho de 1,7% em materiais.