Mercado fechará em 57 mins
  • BOVESPA

    110.462,61
    -447,00 (-0,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.641,36
    +467,30 (+0,93%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,33
    +2,13 (+2,72%)
     
  • OURO

    1.767,40
    +3,70 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.794,03
    +405,35 (+2,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    398,66
    -2,04 (-0,51%)
     
  • S&P500

    3.945,35
    -12,28 (-0,31%)
     
  • DOW JONES

    33.647,10
    -205,43 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.573,05
    +61,05 (+0,81%)
     
  • HANG SENG

    18.597,23
    +392,55 (+2,16%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.532,75
    +8,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4184
    -0,0382 (-0,70%)
     

S&P 500 fecha em alta, liderado por ações defensivas

Por Ankika Biswas e Amruta Khandekar

BENGALURU, Índia (Reuters) - O índice S&P 500 encerrou em alta nesta sexta-feira após um pregão instável, em que ganhos em ações defensivas ofuscaram quedas do setor de energia, e investidores minimizaram comentários agressivos de autoridades do Federal Reserve sobre aumentos na taxa de juros.

A presidente do Fed de Boston, Susan Collins, disse que, com poucas evidências da diminuição das pressões de preços, o banco central pode precisar realizar outra alta de 0,75 ponto percentual na taxa de juros, enquanto busca controlar a inflação.

O índice Dow Jones subiu 0,59%, a 33.745,69 pontos, o S&P 500 avançou 0,48%, para 3.965,34 pontos, e o Nasdaq teve oscilação positiva de 0,01%, a 11.146,06 pontos.Na semana, o S&P 500 caiu 0,7%, recuando modestamente após um forte rali que durou um mês estimulado por dados de inflação mais fracos do que o esperado, o que gerou esperanças de que o Fed poderia moderar seus ajustes de juros que golpearam o mercado. O Nasdaq recuou 1,6% na semana, enquanto o Dow Jones permaneceu basicamente inalterado. Grupos defensivos lideraram os setores do S&P 500, com serviços públicos em alta de 2%, imóveis subindo 1,3% e um avanço de 1,2% na saúde. O setor de energia perdeu 0,9%, com a queda dos preços do petróleo, decorrente da preocupação com a demanda enfraquecida na China e novos incrementos na taxa de juros norte-americana.