Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.647,98
    -988,41 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.145,52
    -349,89 (-0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,35
    +0,37 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.868,30
    +28,10 (+1,53%)
     
  • BTC-USD

    35.217,64
    +817,67 (+2,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    695,09
    -5,53 (-0,79%)
     
  • S&P500

    3.850,73
    +51,82 (+1,36%)
     
  • DOW JONES

    31.159,47
    +228,95 (+0,74%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    29.962,47
    +320,19 (+1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.523,26
    -110,20 (-0,38%)
     
  • NASDAQ

    13.278,00
    +292,50 (+2,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4438
    -0,0548 (-0,84%)
     

S&P 500 e Nasdaq batem máximas recordes com esperanças de estímulos ofuscando dados ruins de emprego

·1 minuto de leitura
Prédio que contem em sua fachada a sinalização de Wall Street

(Reuters) - Os índices S&P 500 e Nasdaq escalaram novas máximas nesta sexta-feira, à medida que esperanças de mais estímulos econômicos para enfrentar a crise provocada pela pandemia compensavam preocupações sobre uma desaceleração significativa na recuperação do mercado de trabalho.

O relatório de emprego do governo norte-americano mostrou que a economia cortou vagas pela primeira vez em oito meses em dezembro, quando o país sucumbiu a um salto em casos de Covid-19.

No entanto, com o apoio de quase 900 bilhões de dólares em estímulo aprovado pelo governo na semana passada e expectativas de um pacote fiscal maior e gastos com infraestrutura sob o futuro governo de Joe Biden, os principais índices de Wall Street atingiram níveis históricos.

"É difícil ignorar a queda impressionante de empregos em dezembro, mas o mercado deve a ignorar os dados decepcionantes diante de distribuição de vacina, forte probabilidade de estímulo e um Fed com uma política monetária estimulativa", disse Mike Loewengart, diretor geral de estratégia de investimento na E*TRADE Financial.

Sete dos 11 principais setores do S&P subiam nesta sexta, com saúde, consumo discricionário e imobiliário liderando os ganhos.

Os segmentos financeiro e de materiais básicos, entre os três setores de melhor desempenho nesta semana, caíam.

Alguns agentes de mercado em Wall Street esperam um ajuste negativo nas bolsas no curto prazo, já que a exuberância de estímulos monetários e fiscais sem precedentes elevou os preços dos ativos de forma artificial, deixando o movimento atual sem consistência.

Às 12:48 (horário de Brasília), o índice Dow Jones caía 0,04%, a 31.028 pontos, enquanto o S&P 500 ganhava 0,036805%, a 3.805 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq avançava 0,68%, a 13.156 pontos.

(Por Devik Jain e Medha Singh)