Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.426,01
    +91,65 (+0,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

S&P 500 confirma mercado em baixa e temor de recessão aumenta

Operador trabalha no salão da Bolsa de Valores de Nova York

Por Chuck Mikolajczak

NOVA YORK (Reuters) - Os mercados de ações dos Estados Unidos tiveram fortes quedas nesta segunda-feira, com o índice S&P 500 confirmando ingresso no chamado "mercado em baixa", o que colocou em destaque temores de que os esperados aumentos agressivos das taxas de juros pelo Federal Reserve levem a economia a uma recessão.

O índice S&P 500 fechou em queda de 3,88%, a 3.749,63 pontos. O Dow Jones caiu 2,79%, a 30.516,74 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq Composite recuou 4,68%, a 10.809,23 pontos.

Referência para as ações dos EUA, o S&P 500 sofreu a quarta queda consecutiva, mais longa sequência de perdas em três meses. O índice agora acumula declínio de 21,8% em relação ao seu recorde de fechamento mais recente e confirmou que um mercado em baixa começou em 3 de janeiro, de acordo com uma definição comumente usada.

Todos os principais setores do S&P caíram acentuadamente, com apenas cinco componentes em território positivo no dia. Os mercados estão sob pressão neste ano, já que a alta dos preços, incluindo um salto nos custos do petróleo devido em parte à guerra na Ucrânia, colocou o Fed no caminho certo para tomar medidas fortes de aperto de sua política monetária, como aumento da taxa de juros.

O Fed deve anunciar decisão de juros na quarta-feira, e investidores estarão altamente focados em quaisquer pistas de quão agressivo o banco central pretende ser no aumento das taxas.

Pesos pesados ​​do mercado de alto crescimento como Apple Inc, Microsoft Corp e Amazon.com Inc foram os maiores obstáculos ao S&P 500, já que o rendimento do título soberano norte-americano de dez anos atingiu 3,44%, nível mais alto desde abril de 2011. As ações em crescimento têm maior probabilidade de ver seus lucros sofrerem em um ambiente de juros crescentes.

"O mercado estava tentando se recuperar da ideia de que a inflação atingiu o pico e o Fed não precisaria ser mais agressivo", disse Ross Mayfield, analista de estratégia de investimentos da Baird em Louisville, Kentucky. "Essa história desmoronou na sexta-feira com um relatório que mostrou uma ampla inflação enraizada em todos os lugares para onde você olha."

O mercado em baixa mais longo do S&P 500 durou pouco mais de cinco anos, começando em 6 de março de 1937 e terminando em 29 de abril de 1942, enquanto o mais curto durou pouco mais de um mês, começando em 19 de fevereiro de 2020 e terminando em 23 de março de 2020, de acordo com a S&P Dow Jones Indices.

Demorou um pouco mais de um ano, em média, para o índice atingir seu fundo durante os mercados de baixa e, em seguida, cerca de mais dois anos para retornar a seu pico anterior, de acordo com a CFRA Research.

Nesta segunda, a curva de rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA entre dez e dois anos se inverteu brevemente pela primeira vez desde abril, o que muitos nos mercados veem como um sinal confiável de que uma recessão pode ocorrer no próximo ano ou dois.

O índice Nasdaq Composite, que nesta segunda-feira sofreu sua quarta queda consecutiva, confirmou um mercado em baixa em 7 de março e despenca cerca de 30% neste ano.

O índice de volatilidade da CBOE, também conhecido como medida do medo de Wall Street, atingiu seu nível mais alto desde 9 de maio, a 35,05, antes de fechar em 34,02. Ainda assim, muitos analistas veem o nível como um pouco contido, o que poderia significar mais pressão de venda à frente.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos