Mercado abrirá em 5 h 55 min
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,53 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,15 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,61
    +0,22 (+0,30%)
     
  • OURO

    1.889,90
    +13,30 (+0,71%)
     
  • BTC-USD

    22.790,38
    -597,81 (-2,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    523,05
    -13,81 (-2,57%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,89 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.246,18
    -414,29 (-1,91%)
     
  • NIKKEI

    27.678,94
    +169,48 (+0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.568,00
    -56,00 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5394
    +0,0009 (+0,02%)
     

Pó magnético pode remover microplásticos da água

Em busca de formas eficazes para identificação e separação dos microplásticos na água, uma equipe de pesquisadores australianos descobriu uma nova técnica: o uso de um tipo de pó magnético. O material consegue grudar nas partículas minúsculas de plástico, formando pequenos bolos, que poderão ser removidos com a ajuda de ímãs. No momento, a solução só deve ser usada em estações de tratamento de esgoto.

Publicado na revista científica Chemical Engineering Journal, o estudo sobre o pó magnético que ajuda na filtragem de microplásticos em estações de tratamento foi desenvolvido por pesquisadores do Instituto Real de Tecnologia de Melbourne (Rmit), na Austrália. Dados preliminares indicam que o pó pode ser reaproveitado até seis vezes.

Microplásticos não são filtrados pelas técnicas convencionais

Pó magnético pode ser alternativa para a filtragem de microplásticos na água (Imagem: Unsplash/Nariman Mosharrafa)
Pó magnético pode ser alternativa para a filtragem de microplásticos na água (Imagem: Unsplash/Nariman Mosharrafa)

Quando se pensa no tratamento de água, os microplásticos representam um dos grandes desafios. Isso porque eles não podem ser filtrados pelos métodos tradicionais, o que significa que, muito provavelmente, a água de torneira que consumimos contém este tipo de material. A água despejada de volta à natureza também sofre com o mesmo problema.

“Microplásticos menores que 5 milímetros, que podem levar até 450 anos para se degradar [na natureza], não são detectáveis ​​e nem são removíveis por meio de sistemas de tratamento convencionais, resultando em milhões de toneladas lançadas no mar todos os anos”, explica Nasir Mahmood, do Rmit, em comunicado.

Dessa forma, os microplásticos não são prejudiciais apenas para a vida aquática, mas também têm "impactos negativos e significativos para a saúde humana”, acrescenta o pesquisador Mahmood.

Vale lembrar que, em abril deste ano, uma equipe de cientistas britânicos observou a existência de microplásticos no pulmão de pessoas vivas. Em março, pesquisadores da Holanda identificaram a presença de microplásticos em amostras de sangue humano.

Pó magnético que remove microplásticos da água funciona?

No momento, o pó magnético ainda não pode ser produzido em larga escala e testes complementares ainda são necessários. “Procuramos parceiros na indústria para levar nossa invenção a uma próxima etapa, onde veremos sua aplicação em estações de tratamento de águas residuais”, explica a pesquisadora Nicky Eshtiaghi.

No entanto, os testes em laboratório já confirmam a eficácia da alternativa de separação dos microplásticos na água. Segundo os autores, o material captura até mesmo pequenos fragmentos de plástico com quase 100% de sucesso.

Além disso, “nosso aditivo em pó pode remover microplásticos que são mil vezes menores do que aqueles atualmente detectáveis ​​pelas estações de tratamento de águas residuais existentes”, afirma Eshtiaghi. “Todo esse processo leva uma hora, em comparação com outras invenções que levam dias”, completa.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: