Mercado abrirá em 8 h 32 min
  • BOVESPA

    112.486,01
    +1.576,40 (+1,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.684,86
    +1.510,80 (+3,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,36
    -0,19 (-0,24%)
     
  • OURO

    1.788,30
    +28,40 (+1,61%)
     
  • BTC-USD

    17.157,36
    +213,10 (+1,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    406,84
    +6,14 (+1,53%)
     
  • S&P500

    4.080,11
    +122,48 (+3,09%)
     
  • DOW JONES

    34.589,77
    +737,24 (+2,18%)
     
  • FTSE

    7.573,05
    +61,05 (+0,81%)
     
  • HANG SENG

    18.831,79
    +234,56 (+1,26%)
     
  • NIKKEI

    28.281,04
    +312,05 (+1,12%)
     
  • NASDAQ

    12.029,25
    -13,00 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4067
    +0,0102 (+0,19%)
     

Pássaro que se acreditava estar extinto há 140 anos é visto em Papua-Nova Guiné

Um pássaro que se pensava estar extinto há 140 anos foi visto novamente — na verdade, filmado — nas florestas de Papua-Nova Guiné: é o pombo-faisão-de-nuca-preta (Otidiphaps nobilis insularis), documentado por cientistas pela primeira vez em 1882, e, desde então, nunca mais oficialmente visto. Foram necessárias diversas expedições, numa união de funcionários do museu local e ornitólogos estrangeiros, para rever o animal.

Foi um mês inteiro de excruciante espera em Fergusson, uma ilha acidentada no Arquipélago D'Entrecasteaux, no leste do país, onde ocorreu a primeira documentação da criatura. O terreno montanhoso dificultou o trabalho da equipe, que ouviu de membros da comunidade que o pássaro não era visto há décadas.

Avistamento e ajuda local

Dois dias antes da saída programada da ilha, veio a surpresa: o pombo-faisão-de-nuca-preta teve sua imagem capturada por uma câmera montada. Segundo os cientistas participantes, foi como encontrar um unicórnio, um momento que todo conservacionista e observador de pássaros sonha por toda a vida.

O O. n. insularis é um animal grande, que caminha pelo chão e carrega uma cauda larga — a ciência pouco conhece da espécie, no entanto, e se acredita que sua população seja pequena e ameaçada, diminuindo mais a cada ano. Para encontrá-la, os pesquisadores precisaram da ajuda dos moradores locais, especialmente caçadores que relataram ter ouvido ou visto espécimes. Eles ganharam confiança ao ouvir o nome local do pássaro, "Auwo", e sentiram estar chegando perto de ver um deles.

O pombo-faisão-de-nuca-preta, na ilustração feita quando o animal foi descrito — único registro dele em 140 anos (Imagem: John Gerrard Keulemans/Domínio Público)
O pombo-faisão-de-nuca-preta, na ilustração feita quando o animal foi descrito — único registro dele em 140 anos (Imagem: John Gerrard Keulemans/Domínio Público)

Foram posicionadas, então, 12 armadilhas fotográficas nas encostas do monte Kilkerran, o maior da ilha, além de 8 câmeras em locais onde os caçadores reportaram terem visto o animal no passado. Augustin Gregory, um desses caçadores, foi essencial para o achado, relatando ter ouvido e visto um espécime em um local íngreme entre vales.

Encontrando uma encosta com essa descrição a 975 metros de altura, próxima ao rio Kwama, acima da vila de Duda Unana, uma câmera foi deixada no local: e foi ela que capturou as imagens da criatura. Chocados pela descoberta, os cientistas e a comunidade local estão focados, agora, em proteger o pombo-faisão-de-nuca-preta, cujo número populacional é desconhecido. A ave representa, ainda, uma esperança para que outras espécies supostamente desparecidas ainda sejam vistas na natureza.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: