Mercado fechará em 3 h 43 min
  • BOVESPA

    121.988,03
    +79,00 (+0,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.289,40
    -577,75 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,97
    +0,05 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.835,30
    -2,30 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    56.152,52
    -2.068,98 (-3,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.502,57
    +1.259,89 (+519,16%)
     
  • S&P500

    4.151,11
    -37,32 (-0,89%)
     
  • DOW JONES

    34.266,22
    -476,60 (-1,37%)
     
  • FTSE

    6.947,99
    -175,69 (-2,47%)
     
  • HANG SENG

    28.013,81
    -581,89 (-2,03%)
     
  • NIKKEI

    28.608,59
    -909,71 (-3,08%)
     
  • NASDAQ

    13.326,00
    -30,75 (-0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3511
    +0,0109 (+0,17%)
     

Oxford desenvolve vacina contra a malária com a maior eficácia já vista: 77%

Natalie Rosa
·2 minuto de leitura

Cientistas da Universidade de Oxford acabam de anunciar o desenvolvimento da vacina mais eficaz contra a malária já feita até então. Os resultados dos testes mostraram que o imunizante contra a doença, que mata cerca de 400 mil pessoas todos os anos, principalmente crianças, apresentou 77% de eficácia.

De acordo com Adrian Hill, principal autor do estudo, a vacina deve ter o seu uso aprovado nos próximos dois anos. "Com o comprometimento do nosso parceiro comercial, o Serum Institute of India, para fabricar pelo menos 200 milhões de doses anualmente nos próximos anos, a vacina tem o potencial de ter um grande impacto na saúde pública se a licença for conquistada", diz o pesquisador.

<em>Imagem: Reprodução/twenty20photos/Envato</em>
Imagem: Reprodução/twenty20photos/Envato

A Organização Mundial de Saúde (OMS) conta com uma meta estabelecida de uma nova vacina contra a malária precisa apresentar, no mínimo, 75% de eficácia até o ano de 2030, o que o imunizante de Oxford conseguiu alcançar. Os testes foram feitos com 450 participantes com idades entre cinco meses e 17 meses de vida, que foram divididos entre três grupos. Enquanto os primeiros dois grupos receberam uma dose baixa ou alta do imunizante, o terceiro grupo recebeu a vacina antirrábica.

Segundo o estudo, a vacina apresentou eficácia de 77% no grupo que recebeu a dose mais alta e 71% no grupo imunizado com a dose mais baixa, todos recebendo acompanhamento de 12 meses, sem apresentar qualquer efeito colateral grave. A administração das doses aconteceu em períodos de pico da doença, entre maio e agosto de 2019.

<em>Imagem: Reprodução/jcomp/Freepik</em>
Imagem: Reprodução/jcomp/Freepik

A expectativa da equipe é que a vacina seja aprovada logo após a divulgação dos resultados finais dos testes, o que pode acontecer já no ano que vem. Hill ressalta a importância de uma aprovação emergencial do imunizante, assim como aconteceu com a COVID-19. "A malária matou, pelo menos, quatro vezes mais pessoas na África no ano passado do que a COVID-19", conta. "Então, por que uma doença que mata mais crianças do que pessoas mais velhas não deveria ser priorizada para autorização de uso emergencial na África?", completa.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: