Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.829,27
    +902,93 (+0,92%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.771,12
    -56,81 (-0,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,20
    -0,76 (-1,09%)
     
  • OURO

    1.981,00
    -14,90 (-0,75%)
     
  • Bitcoin USD

    27.508,19
    -595,69 (-2,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    597,33
    -21,06 (-3,41%)
     
  • S&P500

    3.970,99
    +22,27 (+0,56%)
     
  • DOW JONES

    32.237,53
    +132,28 (+0,41%)
     
  • FTSE

    7.405,45
    -94,15 (-1,26%)
     
  • HANG SENG

    19.915,68
    -133,96 (-0,67%)
     
  • NIKKEI

    27.385,25
    -34,36 (-0,13%)
     
  • NASDAQ

    12.922,75
    +68,75 (+0,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6520
    -0,0780 (-1,36%)
     

Outro foguete da China caiu descontroladamente na Terra

O estágio de um foguete Long March 2D, da China, realizou uma reentrada descontrolada na Terra na última terça-feira (7) e queimou sobre a região do estado do Texas, nos Estados Unidos. Por enquanto, os oficiais norte-americanos não encontraram detritos deixados pelo objeto. A China ainda não reconheceu oficialmente o retorno do veículo.

O foguete foi lançado em junho do ano passado do Centro de Lançamentos de Satélites Xichang. Ele levou ao espaço três satélites Yaogan 35 e os posicionou em órbitas com altitude média de 500 km. Após o lançamento, o primeiro estágio desceu à Terra em direção a uma zona calculada.

Normalmente, os segundos estágios dos foguetes se tornam lixo espacial após liberar suas cargas úteis, e permanecem no espaço por longos períodos até retornarem à Terra com a ajuda das interações com a atmosfera. No caso do foguete da China, Jonathan McDowell, astrofísico do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian, observa que ele tinha uma vela de arrasto capaz de antecipar sua reentrada.

Com base em dados de monitoramento do Comando de Defesa Aeroespacial da América do Norte, organização dos Estados Unidos e Canadá responsável por alertas aeroespaciais, o foguete reentrou na atmosfera sobre o oeste do Texas, e seguiu entre as cidades de Abilene e Austin.

Dois oficiais de defesa dos Estados Unidos afirmaram que o foguete se movia a mais de 27 mil km/h e acabou desintegrado. Em um comunicado, o Comando Espacial dos Estados Unidos confirmou que a reentrada aconteceu durante a noite, na região sudeste da América do Norte.

“Esta foi uma reentrada descontrolada, o que signfiica que não foi guiada, mas sua órbita decaiu e diminuiu naturalmente”, acrescentaram. “Este tipo de comportamento reforça a necessidade de normas internacionais melhores sobre reentradas descontroladas e de alto risco”.

Esta não é a primeira vez em que foguetes da China realizam reentradas descontroladas. Em 2021, o estágio do foguete usado para lançar o primeiro módulo da estação espacial Tiangong reentrou e caiu no mar; os estágios centrais dos foguetes usados para lançar os demais módulos da estação tiveram destino semelhante e, como não foram desorbitados de forma controlada, reentraram no ano passado.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: