Mercado fechado

Ostentação sem limites: ingleses lançam "burrofone" de R$ 20 mil

Rubens Eishima
·2 minuto de leitura

Para algumas pessoas, ostentação é sair pelas ruas com o último iPhone, para outros é ter um celular com recursos ainda exclusivos, como as telas dobráveis. Nada disso porém chega aos pés do Xor. O celular traz o legado da marca de luxo Vertu e um preço à altura: mais de R$ 20 mil.

A Xor é uma empresa britânica fundada por Hutch Hutchinson, responsável pelo design da finada marca Vertu. Segundo o empresário, antigos clientes da marca financiaram a nova aventura para trazer de volta os exclusivos aparelhos.

WhatsApp? Nada disso, Titanium oferece SMS como alternativa (Imagem: divulgação/Xor)
WhatsApp? Nada disso, Titanium oferece SMS como alternativa (Imagem: divulgação/Xor)

Batizado de Titanium, o novo celular traz o design chamativo dos modelos Vertu, mas diferentemente dos últimos modelos dela, não inclui recursos smart.

Isso mesmo, por 3.000 libras esterlinas (cerca de R$ 21.300, em conversão direta), o Xor Titanium não inclui apps ou conexão 4G. A empresa sugere que a remoção dos recursos torna o aparelho mais seguro, podendo ser usado para ligações telefônicas e mensagens SMS.

Recarga sem fio é o recurso mais avançado do aparelho não-smart (Imagem: divulgação/Xor)
Recarga sem fio é o recurso mais avançado do aparelho não-smart (Imagem: divulgação/Xor)

Como recursos “avançados”, o Titanium inclui um medidor de qualidade do ar, suporte a recarga sem fio e um sistema próprio de comunicação com outros aparelhos da marca. A ferramenta inclui criptografia de ponta a ponta para conversas e mensagens seguras com outros ricaços.

O Titanium tem previsão de chegada ao mercado no começo de 2021, com unidades fabricadas à mão em uma fábrica na Inglaterra, outra tradição herdada da Vertu. Entre as opções de acabamento do celular estão listados o material que dá nome ao modelo, cerâmica, cristal de safira e couro.

Symbian de 100 mil reais

Antecessora da Xor, a Vertu foi fundada como uma subsidiária da Nokia para lançar aparelhos de luxo, modificando modelos dos finlandeses com detalhes banhados em ouro, pedras preciosas e outros mimos para o público de alta renda.

O primeiro smartphone da empresa, por exemplo, foi o Constellation Quest, baseado no Nokia E72 e seu sistema operacional Symbian. Na versão revestida em ouro o valor passava das 17.000 libras esterlinas (o equivalente hoje a R$ 120 mil).

Com acabamento luxuoso, Signature Touch custava quase R$ 280 mil (Imagem: divulgação/Vertu)
Com acabamento luxuoso, Signature Touch custava quase R$ 280 mil (Imagem: divulgação/Vertu)

Após a derrocada da Nokia, a empresa se tornou independente e adotou o sistema Android. Apesar de modelos em parceria com outras marcas de luxo, a Vertu não conseguiu se manter no mercado, mesmo lançando aparelhos como o Signature Touch, com preços que variavam de € 7.900 a 44.000 (R$ 50.000 a 279.000). Em 2017, a empresa fechou as portas, demitindo mais de 200 funcionários.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: