Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.340,41
    -2.472,46 (-2,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.430,96
    -298,84 (-0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,10
    -0,40 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.760,30
    -10,90 (-0,62%)
     
  • BTC-USD

    21.381,94
    -1.983,42 (-8,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    508,66
    -32,94 (-6,08%)
     
  • S&P500

    4.228,48
    -55,26 (-1,29%)
     
  • DOW JONES

    33.706,74
    -292,30 (-0,86%)
     
  • FTSE

    7.550,37
    +8,52 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    19.773,03
    +9,12 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    28.930,33
    -11,77 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    13.267,00
    -256,25 (-1,89%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1888
    -0,0250 (-0,48%)
     

"Osso é vendido e não dado": alta no preço faz consumo de carne cair drasticamente em SC

·2 min de leitura
Custo da carne definiu a queda no consumo do brasileiro - Foto: Getty Images
Custo da carne definiu a queda no consumo do brasileiro - Foto: Getty Images
  • Preço da carne bovina aumentou drasticamente em todo o Brasil

  • Em Santa Catarina, o item é o mais caro da cesta básica, com aumento de 30,5% no último ano

  • Açougues do estado estão vendendo ossos bovinos como alternativa de alimentação

O aumento drástico no preço da carne bovina fez com que o consumo caísse vertiginosamente em todo o Brasil. Em Santa Catarina, o item é o mais caro da cesta básica, com aumento de 30,5% no último ano.

A alta resultou em cenas pouco comuns pelo estado. Em Florianópolis, por exemplo, um açougue está cobrando R$ 4 o quilo do osso. O material, até outro dia descartado como lixo em alguns estabelecimentos, virou alternativa desesperada de alimentação neste cenário.

Leia também:

“Osso é vendido e não dado”, diz um cartaz neste mesmo açougue catarinense, em foto que foi divulgada pelo G1 e viralizou nas redes sociais. Dono do estabelecimento, Ari dos Santos explica que sempre vendeu o item, mas que a procura, de fato, intensificou nos últimos meses.

"Sempre vendi (osso), mas aumentou. Quando vem uma pessoa necessitada, eu ainda faço a doação", contou ao G1 o comerciante, que sofre com a queda no número de clientes.

Um dos motivos para o aumento é a elevação do preço da produção pecuária - Foto: Getty Images
Um dos motivos para o aumento é a elevação do preço da produção pecuária - Foto: Getty Images

“Desde a pandemia, caiu muito o movimento. As pessoas não estão mais comprando a carne aqui.”

Em 2020, primeiro ano da pandemia, cada brasileiro consumiu em média 26,4 quilos de carne, o que significa uma queda de cerca de 14% em relação a 2019. Foi, também, o menor nível desde 1996.

Causas para a redução do consumo

Ao G1, coordenador do Índice de Custo de Vida (ICV) da Universidade Estadual de Santa Catarina (Udesc), Hercílio Fernandes Neto, explicou que o aumento no preço da carne bovina se deu por diversos motivos.

Os principais são: aumento no preço dos insumos de produção pecuária e desvalorização do real. Além disso, diante do crescimento das exportações por produtores do Brasil, diminuiu a oferta de grãos no mercado interno, ampliando os custos da produção pecuária.

"O preço dos insumos para a criação do gado, do suíno, também aumentou. Mercadorias aumentaram o valor de exportação. Também, a soja subiu muito no mercado internacional. Isso fez com que suba no externo e no interno", relatou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos