Mercado abrirá em 3 h 16 min
  • BOVESPA

    119.710,03
    -3.253,98 (-2,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.748,41
    -906,88 (-1,83%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,50
    -1,58 (-2,39%)
     
  • OURO

    1.814,50
    -8,30 (-0,46%)
     
  • BTC-USD

    49.537,21
    -7.570,75 (-13,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.333,22
    -230,61 (-14,75%)
     
  • S&P500

    4.063,04
    -89,06 (-2,14%)
     
  • DOW JONES

    33.587,66
    -681,50 (-1,99%)
     
  • FTSE

    6.860,40
    -144,23 (-2,06%)
     
  • HANG SENG

    27.718,67
    -512,37 (-1,81%)
     
  • NIKKEI

    27.448,01
    -699,50 (-2,49%)
     
  • NASDAQ

    12.975,25
    -23,25 (-0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4178
    +0,0123 (+0,19%)
     

Oscar Schmidt relembra 'troco' brasileiro diante dos Estados Unidos na final do Pan-Americano de 1987

LANCE!
·2 minuto de leitura


Jogador com mais pontos na história da modalidade no mundo inteiro, Oscar Schmidt relembrou em suas redes sociais a soberba norte-americana no confronto entre Brasil e Estados Unidos no basquete. Na decisão do Pan-Americano de 1987, a organização dos jogos não disponibilizou o hino brasileiro durante a premiação do título. Os jogadores tiveram que cantar à capela.
+ Confira os grupos da Copa Libertadores 2021

Presente em cinco Olimpíadas e principal nome do Brasil na vitória sobre os Estados Unidos, Oscar Schmidt revelou os bastidores de quadra após o título do Pan-Americano de 1987. Naquela final, o Brasil converteu 10 bolas de três em 25 tentativas, algo fora do comum para a época, e conquistou o título inédito, em terras adversárias. Confiantes no triunfo sobre os brasileiros, a premiação organizada pelos norte-americanos não contou com o hino do Brasil.

- Eles estavam tão crentes que os Estados Unidos iriam ser campeão que eles não se deram ao trabalho de ter o nosso hino. Poucas vezes eu vi um time ser tão menosprezado como o nosso naquela ocasião - publicou Schmidt.

- Mas deu no que deu; o Brasil ganhou e nós exigimos que eles fossem atrás do hino. Chegamos a falar que se não tivesse o hino não íamos para a premiação, para o desespero deles - disse.

Sem sucesso na tentativa de achar o hino, os jogadores da Seleção Brasileira encontraram uma outra forma de expressar seu nacionalismo. A versão à capela entoou pelo estádio, em Indianapolis.

- No final das contas, nós acabamos tendo que cantar o hino à capela, porque eles estavam com dificuldade de achar o hino e, quando acharam, só tinham um pedacinho para tocar - afirmou o principal nome do Brasil na vitória sobre os Estados Unidos nos Jogos Pan-Americanos de 1987.

- Mas posso te falar uma coisa? Foi até melhor assim, porque nós cantamos à plenos pulmões, para o mundo inteiro ouvir e aprender a não desprezar a nossa força de vontade - concluiu.

A partida terminou 120 a 115 para o Brasil, na primeira derrota dos americanos dentro de casa na história do esporte.