Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.816,90
    -18,90 (-1,03%)
     
  • BTC-USD

    41.920,95
    +272,66 (+0,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Os estágios da interoperabilidade na evolução do blockchain

·4 minuto de leitura

As versões privadas da Internet, como AOL, desapareceram à medida em que a maturação e adoção da rede mundial de computadores forneceram às pessoas acesso fácil a uma versão global, descentralizada e aberta. Este modelo foi o que predominou, principalmente porque se mostrou o mais inclusivo e útil.

Nesta mesma linha, um multiverso de blockchains independentes que não podem interoperar entre si seria severamente limitado.

Assim como o TCP/IP e o restante da Internet se tornaram o backbone aberto e livremente acessível da Web da Informação, blockchains descentralizados globais interoperáveis também emergirão como espinha dorsal de uma Web de Valor.

Mas antes de saber como isto será possível, é preciso saber onde estamos e como chegamos até aqui.

As três Eras Blockchain

Os blockchains existem há apenas doze anos e nos primeiros seis anos, os aplicativos de blockchain único prevaleceram.

Com o lançamento de Ethereum em 2015, passamos à Era Blockchain 2.0 onde desenvolvedores aprimoram contratos inteligentes para inserir lógica de negócios e regras de governança em blockchains e possibilitar a digitalização da sociedade.

Agora, estamos ingressando numa nova etapa, a Era Blockchain 3.0, onde uma miríade de projetos visa melhorar a escalabilidade, sustentabilidade, privacidade e a “interoperabilidade”.

Blockchain 3.0: A era da interoperabilidade

Construir uma cadeia de cadeias que atua como intermediária para todas as outras cadeias e implementa uma camada, através da qual todo o espaço da blockchain pode rotear seu tráfego para permitir uma melhor comunicação, é bastante complexo, mas não impossível.

É nessa linha, com foco na interoperabilidade, que projetos Blockchain 3.0 buscam uma interconexão perfeita entre blockchains, DLTs e entre blockchains com sistemas legados.

Já existem muitas com empresas e startups com projetos Blockchain 3.0 como Aion, além de órgãos de padronização (IEEE, ISO e NIST) trabalhando com interoperabilidade. Vejamos agora onde estamos.

As rotas para interoperabilidade Blockchain

Existem três categorias de soluções (rotas) para interoperabilidade: conectores públicos; Blockchain de Blockchain, e conectores híbridos.

Os conectores públicos são estratégias em Blockchains públicas de suporte a criptomoedas. Isso inclui sidechains, relays, notaries e HLTCs. As técnicas de interoperabilidade em blockchains públicas são bem conhecidas e amplamente utilizadas. Os conectores públicos são os mais citados entre a indústria e a academia, pois fornecem soluções práticas para problemas do mundo real: transferências de ativos.

Contudo, como criar e manter um dApp usando vários blockchains é complexo, surgiram as soluções blockchain de Blockchains.

Blockchain de Blockchains são estruturas que fornecem dados reutilizáveis, rede, consenso, incentivo e camadas de contrato para a criação de blockchains específicos de aplicativos que interoperam entre si. Nesta categoria se encaixam Polkadot e Cosmos, o Blockchain mais adotado em termos de capitalização de mercado.

Finalmente, os conectores híbridos são soluções de interoperabilidade que não são nem conectores públicos, nem Blockchain de Blockchains. Conectores são direcionados para blockchains públicos e privados, e buscam entregar uma “camada de blockchain abstrata”, capaz de expor um conjunto de operações uniformes permitindo que um dApp interaja com blockchains sem a necessidade de usar diferentes APIs. Eles fornecem comunicação cross-blockchain, e Blockchain de Blockchains, que permite ao usuário final criar blockchains interoperáveis e personalizados.

cosmos
Cosmos Network/Reprodução

Uma rede de blockchains alimentada por outro blockchain pode ser aproveitada usando conectores híbridos. Por exemplo, há uma possível sinergia entre o Cosmos e o protocolo Interledger: quando um usuário deseja fazer um pagamento no aplicativo com moeda fiduciária (real, dólar, euro) dentro de uma zona do Cosmos, ele pode confiar no Interledger como um trilho de pagamento. Se estiver usando criptomoedas para pagar (Bitcoin, Litecoin), o roteador entre contas pode encaminhar as transações para um canal de pagamento como o Lightning Network, proporcionando uma interação mais confiável.

Para conectar esse ecossistema a blockchains privados, é necessário desenvolver pontes. Para tornar tais pontes confiáveis, uma possível solução seria eleger um grupo de nós validadores, via overlay network, que participasse do consenso de blockchains públicos e privados.

Bom, essas são as rotas que conectarão a maioria dos tipos de blockchains, outros DLTs e sistemas centralizados. Note que essas diferentes soluções abordam a interoperabilidade de maneira diferente.

Hoje, a troca de tokens não é mais o escopo principal da interoperabilidade blockchain.

ethereum
ethereum

Possibilidades

Conquanto conectores públicos sejam as soluções mais usadas hoje em dia, blockchain de blockchains e conectores híbridos têm evoluído muito rápido e possuem importância ímpar de ampliar o espectro de possibilidades. Eles permitirão a interoperabilidade entre blockchains, outras tecnologias de razão distribuída e sistemas corporativos.

Imagine, por exemplo, o quão rico será se proprietários e consumidores de dados do Ocean Protocol, um marketplace de dados descentralizado, tivessem rampa de acesso e de saída para DeFi não só no Ethereum, mas uma completa interação com redes como Terra (LUNA), THORChain (RUNE) e Solana (SOL), que estão desenvolvendo novos conceitos de DeFi.

A interação entre redes blockchain facilita troca de dados, diminui custo dos usuários, tempo das operações, e serve como timestamp e camada de liquidação para outras cadeias.

Estamos numa época em que os avanços tecnológicos causam impacto e acontecem de forma exponencial; com a interoperabilidade, não poderia ser diferente.

A questão aqui não é se teremos redes descentralizadas globais interoperáveis como a espinha dorsal de uma Web de Valor, mas em que prazo isto se dará.

O artigo Os estágios da interoperabilidade na evolução do blockchain foi visto pela primeira vez em BeInCrypto.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos