Mercado abrirá em 10 mins

Os CEOs que abriram mão de salário em meio à pandemia de coronavírus

Bob Chapek, novo CEO da Disney. Foto: Gerardo Mora/Getty Images

A pandemia de coronavírus atingiu duramente a indústria hoteleira, os restaurantes e o setor aéreo. As suas receitas estão minguando conforme pessoas de todo o mundo aplicam as medidas de distanciamento social para frear a disseminação do vírus.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Outras indústrias, como a do cinema, que emprega mais de 150 mil trabalhadores nos Estados Unidos, também estão em uma situação gravíssima, com receitas zeradas e funcionários que recebem por hora sendo orientados a ficar em casa.

Leia também

Alguns CEOs responderam a esta crise com cortes em seus próprios salários. Até o momento, a medida foi tomada principalmente no setor aéreo, que viu muitos CEOs abrirem mão de seus salários ou de parte deles.

É importante esclarecer que os cortes estão sendo feitos nos salários-base, que costumam representar um percentual muito pequeno do total recebido como forma de compensação. O CEO da Delta, Ed Bastian, por exemplo, tem um salário-base de US$ 891 mil, de acordo com o proxy statement mais recente da empresa. Esse valor representa 6% dos US$ 14,9 milhões recebidos pelo executivo no ano passado – o salário somado a prêmios de ações, prêmios de opções e outros tipos de compensação que não estão associados ao preço das ações da companhia.

Essa diferença é observada por causa do regime de compensação por incentivos; o conselho da Delta quer que o preço das ações da empresa suba, então ele alinha a compensação de Bastian de acordo com esse objetivo, dando-lhe muitas ações em vez de um grande salário-base. Ainda assim, cortar o salário-base para tentar estancar o sangramento financeiro é algo admirado pela força de trabalho.

Confira uma lista dos cortes realizados até o momento:

Companhias aéreas

Ed Bastian, CEO da Delta: “Como mencionei na semana passada, cortei 100% do meu salário nos próximos seis meses. O nosso Conselho de Diretores também decidiu abrir mão da sua compensação pelos próximos seis meses”.

Brad Tilden, CEO da Alaska Air, reduziu seu salário-base a zero.

Oscar Munoz, CEO da United, e Scott Kirby, presidente da empresa, “irão zerar seu salário-base até pelo menos junho de 2020”.

Gary Kelly, CEO da Southwest, teve uma redução de 10% do seu salário.

Robin Hayes, CEO da JetBlue, teve um corte de 20%.

Maurice Gallagher, CEO da Allegiant, e John Redmond, presidente da empresa, tiveram seus salários reduzidos a zero.

Edward Christie, CEO da Spirit, teve seu salário reduzido.

Ronojoy Dutta, CEO da IndiGo, teve um corte de 25%.

Willie Walsh, CEO da British Airways, terá corte salarial de 25%.

Transportes

John Zimmer e Logan Green, cofundadores da Lyft, prometem doar seus salários até junho.

Mike Manley, CEO da Fiat Chrysler, receberá apenas metade do seu salário por três meses, e o presidente John Elkann zerou seu salário-base até o final do ano.

Indústria hoteleira

Arne Sorenson, CEO do Marriott, se uniu às companhias aéreas, já que as receitas da indústria hoteleira também despencaram. “Eu não vou receber salário até o final de 2020, e minha equipe de executivos sofrerá um corte de 50%,” disse Sorenson. 

Geoff Ballotti, CEO do Wyndham Hotels & Resorts, reduziu seu salário-base a zero, de acordo com um formulário 8K.

Conglomerados

Como a GE demitiu 10% da força de trabalho da sua subsidiária de aviação, o CEO Lawrence Culp decidiu abrir mão do seu salário “total”. Não ficou claro se isso significa o seu salário-base total ou a sua compensação total. David Joyce, vice-presidente da GE e presidente da GE Aviation, “abrirá mão de metade do seu salário”, anunciou a empresa.

Bob Chapek, CEO da Disney, terá corte salarial de 50%, de acordo com o Hollywood Reporter. A empresa afirmou que todos os executivos da vice-presidência sofrerão uma redução de 20% em seus salários a partir de 5 de abril, segundo a Variety.

Varejo

Tim Boyle, CEO da Columbia Sportswear, reduziu seu salário de U$3,3 milhões para U$10 mil, para ajudar funcionários afetados após o fechamento das lojas da empresa.

Ethan Wolff-Mann

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.