Mercado fechará em 3 h 32 min
  • BOVESPA

    107.678,55
    -3.760,82 (-3,37%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.680,21
    -627,50 (-1,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,56
    -1,41 (-1,96%)
     
  • OURO

    1.761,80
    +10,40 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    44.049,66
    -3.571,13 (-7,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.099,82
    -34,57 (-3,05%)
     
  • S&P500

    4.340,77
    -92,22 (-2,08%)
     
  • DOW JONES

    33.877,55
    -707,33 (-2,05%)
     
  • FTSE

    6.903,91
    -59,73 (-0,86%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    14.944,00
    -382,00 (-2,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2493
    +0,0499 (+0,80%)
     

Os Ausentes | Conheça a primeira série brasileira original da HBO Max

·5 minuto de leitura

*Em colaboração com Beatriz Vaccari

Estreou, no dia 22 de julho, a série Os Ausentes, a primeira produção brasileira original da HBO Max, plataforma de streaming recém-chegada ao Brasil. A trama é uma série investigativa e procedural que tem como tema uma realidade do nosso país: o desaparecimento de pessoas.

A cada episódio, cada um com média de 45 minutos de duração, os protagonistas Raul Fagnani (Erom Cordeiro), investigador, e Maria Júlia (Maria Flor), jornalista, estão à frente das investigações de pessoas desaparecidas. Além de encarar essas histórias, os personagens contam com suas próprias cicatrizes por ter que lidar com a vida após o desaparecimento de seus entes queridos.

O Canaltech conversou com a produção de Os Ausentes para contar mais sobra a primeira série brasileira da HBO Max para você.

<em>Imagem: Divulgação/HBO Max</em>
Imagem: Divulgação/HBO Max

Desaparecimentos

O desaparecimento de pessoas é mais comum do que se imagina. O tema também foi destaque de outra produção nacional chamada Caso Evandro, original do Globoplay. O documentário fala sobre uma época, ainda na década de 1990, em que muitas crianças estavam desaparecendo, expondo um sistema governamental e policial bastante falho. Os Ausentes também promete trazer uma boa contribuição para o tema, mesmo que em forma de ficção.

A série nos apresenta à realidade brasileira sobre os desaparecimentos, que pode trazer conscientização a quem está assistindo não só de modo informativo, como também despertando para questões emocionais e sociais. A escolha da temática, de acordo com Thiago Luciano, criador da série ao lado de Maria Carmem Barbosa, surgiu por ser algo que o tocava bastante. "Como a pessoa consegue viver com esse gigantesco ponto de interrogação nas costas de não saber, de não ter um fim na história", conta em entrevista ao Canaltech.

Preparação e sentimentos

A presença de Maria Flor no elenco marca a representatividade feminina na série, sobretudo por sua personagem ser uma protagonista bastante forte, ao contrário do estereótipo antigo que se apega à fragilidade. A atriz conta que a Maria Júlia é uma personagem bastante cativante e que ela nunca havia participado de uma série de investigação e mistério, sendo esta a primeira vez que entrou em contato com esse universo tão pesado.

"Em vários momentos a gente tinha que se aproximar de sensações e sentimentos por conta das pessoas que estavam ali, perdendo seus entes queridos", conta a atriz. "Fizemos muitas cenas que foram tocantes para mim e que eu realmente me envolvi naquilo porque é real, são coisas que acontecem. Crianças desaparecem no Brasil", completa.

Outra característica ressalta por Caroline Fioratti, diretora geral de Os Ausentes, é o caráter procedural da produção, ou seja: cada episódio traz diferentes pessoas interpretando novas história. Por esse motivo, os personagens são essenciais à série, "a alma" da produção, como define Fioratti. Ao todo, o elenco conta com mais de 100 pessoas, o que se tornou um desafio gigantesco, mas, no final, trouxe bons resultados.

Erom Cordeiro conta que o personagem Raul é um "homem atormentado por uma tragédia pessoal" e que vê no trabalho de investigador um meio para não só curar a dor das pessoas que estão lidando com desaparecidos, como também a própria dor. Então, a preparação para encarar esse personagem foi longa e bastante dedicada: "Começamos a filmar com uma carga de afeto, um baú de possibilidades para entrar em cena com mais segurança".

Erom Cordeio é o investigador Raul, que encontra no trabalho uma forma de curar suas próprias dores (Imagem: Divulgação/HBO Max)
Erom Cordeio é o investigador Raul, que encontra no trabalho uma forma de curar suas próprias dores (Imagem: Divulgação/HBO Max)

As feridas de Raul

Para Erom, a preparação de elenco teve de ser bem intensa e cuidadosa pelas inúmeras camadas que seu personagem possui. Repleto de luto e de uma dor interminável causada por uma perda repentina, o protagonista teve de ser muito bem estudado, além de o ator selecionar alguns elementos de sua personalidade para se conectar diretamente à interpretação.

"A gente foi cavocando esse lugar, esse buraco que o Raul tem no peito, [descobrindo] como que ele se levanta. Ele é muito atormentado por esse passado dele, por esses fantasmas", revelou o ator em entrevista exclusiva ao Canaltech. "Ele é um cara que era muito proativo e eficiente, mas, quando perde alguém tão importante, ele se acha incapaz e imbecil; como que ele vai tentar dar a volta na própria desgraça, na própria tragédia? É um mergulho profundo, ele tem uma curva dramática muito intensa, então foi muito bom se preparar para isso".

Quanto às similaridades entre o ator e seu personagem, Erom revela que justamente pela profundidade de camadas que Raul possui, foi interessante se conectar a ele na hora de ir para frente das câmeras. "Quando li, pensei que era algo bem distante de mim. Achei legal porque quando a gente faz coisas muito próximas acaba sendo um lugar confortável, às vezes nem tão desafiador", começa. "O Raul tem esse grau, do tamanho dessa dor, então como atingir aquilo ali? Era uma personagem bem distante de mim, mas que eu me conecto em vários pontos".

"Tem uma coisa [nele] que é, apesar de ele ser durão, seco e às vezes grosso, ele tem um coração gigantesco", detalha o ator. "Existe nele uma questão de empatia muito à flor da pele, então esse sentimento foi uma coisa que eu me conectei. Ele não é nada insensível, às vezes ele não dorme à noite porque quer sanar a dor dos outros também. Então tem uma coisa meio bom samaritano completamente atordoado ali".

Além disso, Erom revelou que interpretar Raul foi misturar paixões particulares com o trabalho, visto que o ator é um grande fã de tramas investigativas, mencionando filmes como Fargo e séries como True Detective e I Know This Much is True como referências do tema. "É um universo que me atrai, então fazer Os Ausentes foi ter um encontro legal com esses gostos pessoais, de certa forma", comentou.

Sobre a recepção do público, Erom Cordeiro revela que ficará bem feliz caso a série atinja os assinantes internacionais, mas que procura não criar expectativas. "Estou muito feliz de estrear esse trabalho. Se acontecer [a recepção estrangeira], vai ser ótimo. Eu sou apaixonado pela América Latina e sempre quero voltar para a história e a cultura daqui, então se atingir vários públicos, vai ser muito bem-vindo", finalizou o ator.

Confira o trailer oficial de Os Ausentes:

Você já pode maratonar os 10 episódios de Os Ausentes na HBO Max!

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos