Mercado fechará em 6 h 52 min
  • BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,24
    +1,23 (+1,71%)
     
  • OURO

    1.796,10
    -1,90 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    16.866,64
    +55,14 (+0,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    396,42
    -5,62 (-1,40%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.489,69
    +0,50 (+0,01%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.537,50
    +28,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0276 (+0,50%)
     

Os 5 países mais ricos do mundo em 2021, de acordo com o PIB

People wearing face masks to help protect against the spread of the coronavirus walk across an intersection in Tokyo Monday, Aug. 30, 2021. (AP Photo/Koji Sasahara)
People wearing face masks to help protect against the spread of the coronavirus walk across an intersection in Tokyo Monday, Aug. 30, 2021. (AP Photo/Koji Sasahara)

O PIB (Produto Interno Bruto) é o indicador para a soma de tudo o que é produzido e vendido de bens e serviços finais durante um determinado período, podendo ser um mês, semestre ou em relação à produção anual. É através do PIB que é analisada a dimensão econômica de um país, sendo associado geralmente a um indicador que aponta o bem-estar social, oportunidade de empregos, acesso à saúde e lazer.

No entanto, há críticas sobre usar o PIB como indicador de prosperidade de um país, uma vez que o cálculo não leva em consideração a distribuição de renda ou a degradação do meio ambiente que também impactam negativamente na vida de muitas pessoas mesmo nos países mais ricos.

Para existir crescimento do PIB, é preciso haver equilíbrio entre investimentos, que por sua vez irão gerar mais empregos e consequentemente aumentar a renda e o consumo das pessoas. Cinco países se destacaram nos últimos meses de 2021, mesmo com o mundo enfrentando uma pandemia global que afetou drasticamente a economia e que agora mostra alguma recuperação.

Confira quais são as 5 maiores economias do mundo, de acordo com os dados divulgado em abril de 2021 pelo Fundo Monetário Internacional (FMI):

  1. Estados Unidos

  2. China

  3. Japão

  4. Alemanha

  5. Reino Unido

Estados Unidos

Apesar da pandemia em 2020 ter desencadeado uma brutal recessão econômica no país, os Estados Unidos lideram o ranking de país de maior economia global com o PIB registrado em US$ 20,9 trilhões. Os gastos expressivos do governo em campanhas de vacinação contra a covid-19 que tem permitido gradativamente uma volta à normalidade e tem impacto direto nos negócios, ajudou a impulsionar o crescimento econômico.

China

A China aparece em segundo lugar como economia mais expressiva de acordo com seu PIB de US$ 14,7 trilhões. Segundo o Escritório Nacional de Estatísticas da China (NBS na sigla em inglês), a recuperação econômica do país segue estável, ainda que o órgão tenha alertado para recuperação interna desigual e incertezas externas.

Japão

O Japão ocupa o terceiro lugar com um PIB total de US$ 5 trilhões. Em um panorama atual, a economia do país cresceu 0,3% no último trimestre, o que resultou em escapar de uma recessão técnica após resultados negativos em dois trimestres consecutivos.

Alemanha

O primeiro representante europeu do top 5 países mais ricos acumula um PIB de US$ 3,8 trilhões. O último trimestre de 2021 aponta um crescimento de 1,5% em relação ao primeiro trimestre do ano, de acordo com os dados divulgados pela Destatis, agência de estatísticas alemã.

Reino Unido

A terra da Rainha Elizabeth está na quinta posição no ranking das economias mais relevantes do mundo com seu PIB de US$ 2,7 trilhões. O Reino Unido apresentou, no último trimestre, um dos melhores crescimentos entre os países mais ricos,com alta de 4,8% no seu PIB em relação ao primeiro trimestre de 2021.

Com informações de InfoMoney e G1.