Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.979,96
    +42,09 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.789,31
    +417,33 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,71
    -0,78 (-1,19%)
     
  • OURO

    1.867,90
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    40.666,89
    -4.372,20 (-9,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.129,55
    -123,59 (-9,86%)
     
  • S&P500

    4.127,83
    -35,46 (-0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.060,66
    -267,13 (-0,78%)
     
  • FTSE

    7.034,24
    +1,39 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.008,09
    -398,75 (-1,40%)
     
  • NASDAQ

    13.164,75
    -47,25 (-0,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4304
    +0,0003 (+0,00%)
     

Os 5 filmes mais vistos da história do cinema nacional

Rafael Monteiro
·3 minuto de leitura
Minha Mãe é uma Peça, Nada a Perder, Tropa de Elite: os filmes nacionais que mais venderam ingressos de cinema (reprodução)
Minha Mãe é uma Peça, Nada a Perder, Tropa de Elite: os filmes nacionais que mais venderam ingressos de cinema (reprodução)

O cinema nacional sabe fazer blockbuster, sim, senhor. Em nossa história, muitos filmes conseguiram a façanha de fazer milhões de bilheteria, levando multidões para a frente da telona.

Claro, cada caso é um caso - e alguns destes filmes contam até com números bastante suspeitos. Abaixo, mostramos o ranking de bilheteria do cinema nacional, de acordo com a Agência Nacional do Cinema (Ancine), contextualizando o sucesso de cada obra.

Leia também:

1º e 2º - Nada a Perder (2018) e Os Dez Mandamentos: O Filme (2016): 12 milhões e 11,3 milhões de espectadores, respectivamente

Nada a Perder e Os Dez Mandamentos: sucessos de bilheteria com números questionados (reprodução)
Nada a Perder e Os Dez Mandamentos: sucessos de bilheteria com números questionados (reprodução)

Os números dos filmes filmes produzidos pela RecordTV causam polêmica até hoje. Na época de lançamento de ambos os filmes, a Folha de S.Paulo mostrou em reportagens salas "oficialmente lotadas" que, na verdade, exibiam os longas para pouquíssimas pessoas. Acusada de comprar ingressos para inflar os números, a Igreja Universal - cujo maior líder, Edir Macedo, teve a vida homenageada em "Nada a Perder" - nega envolvimento na aquisição dos "bilhetes fantasmas". 

3º Tropa de Elite 2 (2010): 11,1 milhões de pagantes

Tropa de Elite 2: sequência rendeu mais bilheteria que o primeiro filme (reprodução)
Tropa de Elite 2: sequência rendeu mais bilheteria que o primeiro filme (reprodução)

Mesmo mais citado, o primeiro filme da saga de José Padilha que mostrou a ação do Batalhão de Operações Policiais Especiais no Rio de Janeiro sofreu com a pirataria. De acordo com o Ibope, Tropa de Elite (2007) foi visto por 11 milhões de pessoas antes da sua estreia (por meio downloads ilegais e DVDs vendidos em barraquinhas de esquina), prejudicando os números de bilheteria. Com um projeto de segurança de direitos autorais mais elaborado, o segundo filme estrelado por Wagner Moura conseguiu levar mais pessoas para as salas de cinema.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

4º Dona Flor e Seus Dois Maridos (1976): 10 milhões de pagantes

<p>Por muito tempo, a adaptação do romance de Jorge Amado dirigida por Bruno Barreto foi a recordista de público entre os filmes brasileiros, superado apenas em 2010, por ‘Tropa de Elite 2’. José Wilker, Mauro Mendonça e Sônia Braga vivem o apimentado e inusitado triângulo amoroso. (Imagem: divulgação GloboVideo) </p>
Por muito tempo, a adaptação do romance de Jorge Amado dirigida por Bruno Barreto foi a recordista de público entre os filmes brasileiros, superado apenas em 2010, por ‘Tropa de Elite 2’. José Wilker, Mauro Mendonça e Sônia Braga vivem o apimentado e inusitado triângulo amoroso. (Imagem: divulgação GloboVideo)

Por muitos anos, o maior sucesso da história do cinema nacional. Apostando no elenco global, com Sônia Braga e José Wilker, e no texto-base primoroso de Jorge Amado, o longa do jovem Bruno Barreto, então com 21 anos, ganhou crítica, público e o próprio Amado. “O moço diretor, com seu talento e sua sensibilidade, captou o que havia de mais importante na história de dona Flor. Acho o filme belo e denso, creio que está à altura das melhores criações do cinema nacional. Vitória do amor contra o preconceito, vitória da vida contra a morte”, disse o escritor na época.

5º Minha mãe é uma peça 2 (2016): 9 milhões de pagantes

<p>Entra semana, sai semana, e Dona Hermínia continua firme na lista, se saindo melhor do que muita superprodução internacional. Arrecadação: R$ 3.351.000. (Imagem: divulgação) </p>
Paulo Gustavo como Dona Hermínia em "Minha mãe é uma peça 2" (Imagem: divulgação)

Interpretando uma mãe exagerada de Niterói, Paulo Gustavo fez história com a sua própria saga de humor nos cinemas. Apesar do terceiro longa ter feito mais dinheiro (R$ 143,9 milhões arrecadados, aproximadamente, segundo dados oficial), o segundo foi o que levou mais público ao cinema, segundo os números da Ancine. 

Ouça o Pod Assistir, podcast de filmes e séries do Yahoo:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.