Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.962,58
    -60,33 (-0,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Os 15 melhores filmes de terror na Netflix

A Netflix tem um acervo bem robusto de filmes de terror. O gênero é um dos mais populares do streaming e a plataforma passou a apostar tanto em clássicos como também em produções originais para mostrar o quanto o serviço virou o lar do medo e do horror. Para os fãs do frio na espinha, é muito fácil se perder entre as várias opções.

E todo mundo que já assistiu a um filme slash ou mesmo aquele mistério sobrenatural com uma cabana no meio da floresta sabe que se perder nunca é bom. Por isso mesmo, trazemos algumas sugestões que podem ajudá-lo a se situar e a conferir somente aquelas propostas que são garantia de susto ou que, pelo menos, vão fazê-lo pensar suas vezes antes de levantar de madrugada para tomar água.

Ao mesmo tempo, também queremos fugir um pouco do óbvio. Afinal, o suspense se constrói pela surpresa e de nada adianta ver pela enésima vez uma adaptação de Stephen King ou ficar preso a franquias como Invocação do Mal e Halloween quando há vários outros bons filmes de terror te esperando na Netflix.

Assim, o Cnaaltech selecionou os 15 melhores filmes de terror para você assistir na Netflix. Prepare-se para algumas noites de pesadelo!

15. Terror em Silent Hill

Depois de muito tempo sofrendo com péssimas adaptações, Terror em Silent Hill chegou para mostrar que é possível fazer um bom filme baseado em videogame. Não por acaso, o longa ainda é considerado por muitos como um dos melhores longas do gênero até hoje, mais de 15 anos depois de termos visitado a cidade maldita pela primeira vez.

O segredo para isso é simples. Ao invés de inventar moda, ele se apega àquilo que torna o jogo tão assustador e consegue replicar na tela, criando um terror que é genuíno e familiar ao mesmo tempo. E tudo isso embalado por imagens perturbadoras, criaturas medonhas saídas de um terrível pesadelo e uma trilha sonora que te faz ficar arrepiado já nos primeiros acordes.

14. Hush: A Morte Ouve

Antes de ser o queridinho das séries de terror da Netflix, Mike Flanagan já mostrava como dominava o gênero no filme Hush: A Morte Ouve. O título não é o mais inspirado do mundo, mas o longa de 2016 já mostra o quanto o diretor sempre soube brincar com os clichês do gênero para criar algo novo e assustador.

Para isso, ele parte para o conceito mais básico do horror: uma mulher que decide se mudar para uma casa isolada no meio da floresta. É a receita para a tragédia — e é o que acontece quando essa protagonista surda-muda passa a lidar com um assassino à sua volta.

Embora não seja nenhum monstro sobrenatural, a ideia dessa ameaça mascarada ao melhor estilo Michael Myers é aterrorizante o suficiente, ainda mais quando o cineasta mostra um belo domínio da narrativa para fazer com que a gente se sinta tão encurralado quanto a protagonista.

13. O Exorcismo de Emily Rose

Poucas coisas são mais assustadoras em um filme do que a frase “baseado em fatos reais”. E o que fazer quando isso aparece no meio de uma história de exorcismo? Ao contrário de outros títulos do gênero, O Exorcismo de Emily Rose não se propõe a ser aquela coisa exagerada cheia de jump scare, sombras suspeitas e monstros de maquiagem duvidosa.

Na verdade, ele fica entre o filme de terror e o suspense de tribunal, já que o roteiro explora o caso verídico de uma jovem que morreu durante uma sessão de exorcismo e joga a dúvida se ela realmente havia sido possuída ou foi vítima da negligência da própria família em relação a supostos problemas mentais.

E o trunfo é como ele joga o público de um lado para o outro, sem deixar claro qual das versões está correta — nem se há mesmo uma resposta definitiva para o caso. É uma joia para os amantes de um bom terror psicológico.

12. Maus

Uma das vantagens da Netflix é facilitar o acesso a produções de outros países — e conferir filmes de terror vindos do Leste Europeu é uma experiência e tanto. Por isso mesmo, Maus é uma excelente pedida para entender como o horror é encarado fora do eixo de Hollywood.

O longa se passa na Bósnia-Herzegovina e traz um casal apaixonado buscando se conhecer melhor em uma viagem pelo interior do país. E é no meio desse mochilão romântico que eles passam a ser confrontados com uma entidade misteriosa que vai tornar esse passeio em um pesadelo.

O interessante aqui não é só a ideia dessa criatura sobrenatural, mas como tudo isso é costurado à própria história do país, integrando as guerras e as atrocidades cometidas na região à trama.

11. Céu Vermelho Sangue

O terror pode ser bastante previsível, até porque qualquer filme do gênero vai sempre tratar o protagonista como uma vítima em potencial para essa ameaça. Mas Céu Vermelho Sangue subverte essa lógica ao fazer com que a própria protagonista faça parte do horror que nos aguarda.

O filme conta a história de uma mulher a bordo de um avião que é tomado por terroristas e, para proteger seu filho e todos os demais passageiros a bordo, ela precisa liberar o mal ancestral que esconde dentro de si — uma decisão da qual não poderá voltar atrás.

10. A Chave Mestra

Em uma época em que o terror enveredava para um gore após o sucesso do primeiro Jogos Mortais, A Chave Mestra mostrou que basta uma boa história e um ótimo clima de suspensa para deixar todo mundo sem dormir e com medo do que se esconde atrás de cada porta.

Para isso, o filme de 2005 se volta para a aura mística em torno da região sul dos EUA para contar a história de uma enfermeira contratada para cuidar de um casal. O problema é que a mansão em que eles vivem guardam muitos segredos e, pouco a pouco, eles passam a atormentar essa jovem até que a perturbadora verdade vem à tona — e que, com certeza, vai deixá-lo de queixo caído.

9. O Homem Invisível

O Homem Invisível é um filme que foi muito prejudicado pela pandemia de covid-19, mas que ganhou nova vida ao chegar às plataformas de streaming. Ele moderniza o clássico conto de H. G. Wells ao trazer uma discussão bastante atual sobre violência doméstica e abusos — mas sem abrir mão da tensão que faz um bom filme de terror.

Na trama, uma jovem acaba de deixar um relacionamento tóxico e é surpreendida com a notícia do suicídio do seu agora ex-namorado. Só que, logo na sequência, ela passa a vivenciar alguns eventos paranormais que a fazem acreditar ser obra do falecido. O problema é que os ataques do além passam a se tornar mais frequentes e violentos ao passo em que ninguém acredita em seus relatos e passam a questionar sua sanidade.

8. Rua do Medo

Ok, essa é uma pequena trapaça, pois estamos falando de três produções de uma só vez. Isso porque a trilogia Rua do Medo funciona justamente como uma grande história ambientada em três momentos diferentes — e que mostra bem por que a Netflix se tornou o lar dos filmes de terror.

Cada um dos títulos vai homenagear um período específico do gênero e é essa mistura de referências que torna tudo tão interessante. O primeiro filme, por exemplo, se passa na década de 1990 e vai explorar o conceito do slash, com um serial killer assombrando uma cidadezinha. Já em Rua do Medo: 1978, as referências são outras e ele bebe muito mais em clássicos como Halloween e Sexta-Feira 13.

7. O Homem nas Trevas

Um filme de terror não precisa de uma criatura ou um contato com o além para ser assustador. Na verdade, o gênero se torna ainda mais eficiente quando nos lembra o quanto o próprio homem pode ser um monstro.

Um grupo de ladrões invade a casa de um rico veterano de guerra cego. Só que o que eles esperavam ser um roubo fácil se torna um enorme pesadelo, pois a presa é o mais terrível dos caçadores — um homem que usa as próprias trevas a que está acostumado para pegar suas vítimas. Um filme tenso do começo ao fim.

6. Mama

Mama é um daqueles filmes cuja proposta já consegue causar um certo incômodo. Tudo gira em torno de duas garotinhas que viram a mãe ser morta pelo próprio pai. Depois de fugirem de casa e passarem anos desaparecidas no meio do nada, elas aparecem sem qualquer explicação e passam a ser cuidadas pelos tios. O problema é que, ao que parece, elas não voltaram sozinhas.

Estranhos fenômenos começam a acontecer na região ao mesmo tempo em que as meninas passam a conversar com algum tipo de espírito ou entidade que eles chamam apenas de Mama. E o roteiro passa, então, a trabalhar a dúvida em torno da verdade: há realmente algo sobrenatural ali ou são elas as responsáveis por todo o mal que está acontecendo?

5. Corrente do Mal

Corrente do Mal pode não estar entre os maiores filmes de terror de todos os tempos, mas certamente é um dos mais criativos e um dos responsáveis por uma nova geração de histórias que ajudou a modernizar o gênero. Ao invés de monstros ou espíritos, ele cria uma grande alegoria sobre os nossos horrores modernos.

O longa é uma grande alegoria sobre doenças sexualmente transmissíveis e que se manifesta na trama a partir de uma maldição que é passada por meio do sexo. Assim, após sair e transar com um jovem em uma noite, a protagonista passa a ser perseguida por uma entidade que caminha em sua direção — e que vai matá-la quando a alcançar.

O longa constrói sua tensão no fato de que esse ser se manifesta como uma pessoa comum, ou seja, fazendo com que o mal possa ser qualquer um à sua volta. Assim, o filme vira uma enorme corrida para tentar escapar desse terror que se aproxima ao mesmo tempo em que se nega a aceitar que a única forma de se livrar da maldição é passando-a adiante.

4. Invasão Zumbi

É claro que não poderia faltar um filme de zumbi em nossa lista. E, embora esse subgênero seja bastante prolífico e repleto de clássicos, nosso destaque vai ao sul-coreano Invasão Zumbi. Ele subverte alguns clichês ao mesmo tempo em que dá novo gás para esse estilo de história — o que faz dele uma das melhores opções na Netflix.

Para isso, mistura o horror com mortos-vivos com elementos de ação. Isso deixa a luta por sobrevivência desse grupo refugiado em um metrô ainda mais intensa, já que temos hordas de zumbis ágeis e pessoas comuns fazendo de tudo para escapar desse inferno.

3. O Hospedeiro

Antes de ganhar o mundo com Parasita, Bong Joon Ho já chamava a atenção com o excelente O Hospedeiro. O longa traz toda a assinatura que o levou ao auge do cinema mundial — debates sociais, luta de classes e um roteiro muito inteligente que brinca com diferentes gêneros —, mas flertando muito com o mundo do terror.

E tudo isso a partir de uma criatura nascida a partir do despejo de substâncias tóxicas na área pobre de uma cidade. Assim, o que o Japão transformaria em um novo Godzilla se transforma em uma arrojada crítica social sobre a falta de escrúpulos dos poderosos e como os mais vulneráveis acabam pagando o preço. Tudo isso sem abrir mão de alguns sustos.

2. Um Lugar Silencioso

Um dos melhores filmes de terror recentes, Um Lugar Silencioso se apoia inteiramente na tensão para criar seu suspense. A ideia de criaturas que isolaram a humanidade e que matam ao menor ruído cria uma atmosfera tão opressora que a gente se sente tão ameaçado quanto os próprios protagonistas.

Não é o tipo de filme que vai assustá-lo, mas com certeza vai deixá-lo incomodado do começo ao fim.

1. A Bruxa

A Bruxa, de 2015, é um daqueles filmes que todo mundo deveria ver. Ambientado no século 17, o longa gira em torno de uma família de peregrinos que passa a ser assombrada por uma ameaça sobrenatural ao se mudar para perto de uma estranha floresta.

Parece clichê, mas a construção que mistura o fervor religioso com a própria ideia de que o mal nada mais é do que fruto da imaginação cria o clima perfeito — algo que só tínhamos visto, até então, em A Bruxa de Blair. E, só por isso, o diretor Robert Eggers já deveria ser indicado ao Oscar.

No entanto, ele ainda consegue fazer com que os atores entrem nessa atmosfera medonha, o que faz do resultado final algo único e assustador. Além disso, o filme foi o responsável por apresentar Anya-Taylor Joy ao mundo, abrindo as portas para uma das maiores atrizes da atualidade.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: