Mercado fechará em 4 h 26 min
  • BOVESPA

    109.853,80
    +452,39 (+0,41%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.799,46
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,36
    -0,57 (-0,74%)
     
  • OURO

    1.789,20
    +7,90 (+0,44%)
     
  • BTC-USD

    17.016,92
    -194,28 (-1,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    401,28
    -0,53 (-0,13%)
     
  • S&P500

    3.998,00
    -0,84 (-0,02%)
     
  • DOW JONES

    33.979,24
    +32,14 (+0,09%)
     
  • FTSE

    7.548,87
    -18,67 (-0,25%)
     
  • HANG SENG

    19.441,18
    -77,11 (-0,40%)
     
  • NIKKEI

    27.885,87
    +65,47 (+0,24%)
     
  • NASDAQ

    11.812,25
    +6,50 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5225
    -0,0109 (-0,20%)
     

Orizon anuncia criação de empresa de biometano, com investimentos de R$ 1,2 bi

Colhedora de cana

(Reuters) - A empresa de energia Orizon anunciou nesta quarta-feira a criação de uma nova empresa, a BioE, responsável por projetos de geração de biometano e energia, com investimentos de cerca de 1,2 bilhão de reais nos próximos dois anos.

Hoje, a Orizon já produz biometano para dois ativos operacionais, a Biometano Paulínia e UTE Paulínia Verde. Com a BioE, o gás renovável será levado para as outras 10 plantas da empresa.

Segundo o CEO da Orizon, Milton Pilão, a criação de um novo braço de negócio focado em biometano se deve à valorização do gás renovável e à pouca oferta do produto no Brasil.

"O volume de gás renovável hoje disponível no Brasil é inferior a um milhão de metros cúbicos por dia. E a indústria brasileira está demandando muito descarbonizar a sua matriz energética", disse Pilão à Reuters.

A expectativa é de que a nova empresa gere um Ebitda adicional de 550 milhões de reais ao ano, quando as plantas alcançarem a maturidade.

Parte dos investimentos para a BioE, segundo Pilão, virão do lançamento de debêntures de 400 milhões de reais, divulgado na semana passada, além de futuras operações financeiras.

"Como a empresa está em franca expansão de geração de caixa e de Ebitda, devido ao volume de aquisições que ela fez, nós temos espaço no balanço ao longo do ano que vem para continuar emitindo debêntures e fazendo alavancagem para a BioE, para a construção dessas plantas", disse o executivo.

(Por Rafaella Barros)