Mercado fechará em 58 mins
  • BOVESPA

    108.149,15
    -572,43 (-0,53%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.530,45
    -518,60 (-0,96%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,05
    +2,94 (+3,97%)
     
  • OURO

    1.893,00
    +13,50 (+0,72%)
     
  • BTC-USD

    23.297,83
    +253,70 (+1,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    536,45
    +10,49 (+2,00%)
     
  • S&P500

    4.153,13
    +42,05 (+1,02%)
     
  • DOW JONES

    34.108,67
    +217,65 (+0,64%)
     
  • FTSE

    7.864,71
    +28,00 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    21.298,70
    +76,54 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    27.685,47
    -8,18 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.709,25
    +193,75 (+1,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5419
    +0,0226 (+0,41%)
     

Orçamento secreto: emendas de relator são usadas para gerar apoio a governo e reformas, diz Guedes

BRASÍLIA — Ao ser perguntado nesta terça-feria sobre o chamado “orçamento secreto”, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que as emendas de relator do Orçamento, por meio das quais o governo Jair Bolsonaro repassa verbas a parlamentares aliados, são usadas para gerar apoio ao governo e para aprovar reformas.

A emenda de relator é um tipo de instrumento que tem pouca transparência sobre quem indicou o uso do recurso, comumente empregado em obras e serviços nas bases eleitorais de deputados e senadores. É diferente das emendas impositivas, que são divididas igualmente entre todos os parlamentares.

Neste ano, as emendas de relator somam R$ 16 bilhões. É um recurso que está sendo usado pelo governo pela cúpula do Congresso como forma de angariar apoio de parlamentares.

O Supremo Tribunal Federal (STF) impediu a execução dos gastos oriundos dessas emendas até que seja criado um mecanismo que dê transparência para esse instrumento.

Guedes disse que as emendas de relator já eram usadas durante o mandato do então presidente da Câmara Rodrigo Maia, antecessor do atual presidente Arthur Lira (PP-AL), mas que não recebiam tanta atenção e sugeriu que isso ocorria porque Maia fazia oposição ao governo.

— Quando o presidente da Câmara era o Rodrigo Maia, houve o pedido dele de R$ 30 bilhões para o Domingos Neto (PSD-CE), que seria o relator (do Orçamento) da época. Era o dobro de hoje, e não houve essa convulsão toda. Porque, possivelmente, naquela altura, o presidente da Câmara garantiu aqueles recursos para ficar independente do governo, fazer política mesmo sendo oposição ao governo. Ninguém reclamou — disse Guedes, em evento da construção civil.

O ministro comparou com a situação atual e sugeriu que o assunto ganhou repercussão por se tratar de um instrumento de apoio ao governo.

— Agora que é a metade daquele dinheiro, mas é para apoiar o governo e fazer as reformas, todo mundo descobriu que o orçamento é secreto, que aquilo está errado. Aquilo não foi criado pelo Lira, aquilo foi criado e usado antes — disse Guedes.

De fato, as emendas de relator foram criadas quando Rodrigo Maia estava à frente da Câmara, em 2019, durante as discussões do Orçamento de 2020. O recurso passou a ser usado no Orçamento de 2020, quando somou cerca de R$ 20 bilhões e Maia também estava na presidência da Casa.

Guedes chamou de "patético" o que entende ser uma "briga" por R$ 15 bilhões em recursos em emendas de relator, sendo que as despesas totais do governo chegam a R$ 1,8 trilhão por ano. Para ele, o Orçamento deveria ser reformado para tirar gatos obrigatórios e desindexá-los, deixando as verbas ficarem amplamente livres para serem discutidas.

— No Brasil, 96% do Orçamento está carimbado, sobra 4%. Aí tem uma briga feroz por 4%. Essa briga toda, num orçamento de R$ 1,8 trilhão, tem uma briga por R$ 15 bilhões. Algo que era completamente normal e natural e normal, o governo discutir com a sua base — afirmou.

Para Guedes, é natural que quem está no poder tenha gerência sobre mais recursos.

— Não é errado, em lugar nenhum no mundo, que quem está no poder tenha mais comandos sobre recursos. É para isso que você ganha eleição. É natural que vá mais recursos para um lado do que para o outro. Me parece dramática a discussão porque tem um Orçamento de R$ 1,8 trilhão e está a maior briga por causa de R$ 15 bilhões. É natural que quem ganhou a eleição tenha um pouco mais de recurso do que quem perdeu a eleição — afirmou.

O ministro defende a tese de que o Orçamento precisa ser discutido ao longo do ano entre o governo e sua base.

— Em qualquer lugar do mundo, o governo e sua base parlamentar passam o ano inteiro discutindo o Orçamento, verbas, recursos. A discussão de Orçamento é a essência da política. A essência da política é o comando dos recursos públicos.