Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.972,89
    -903,53 (-1,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Opositores birmaneses usam tinta vermelha para denunciar repressão

·1 minuto de leitura
Foto divulgada no Facebook mostra manifestante na cidade de Shwebo em protesto contra o golpe militar em Mianmar

Opositores ao golpe de Estado em Mianmar jogaram tinta vermelha nas ruas nesta quarta-feira (14) para denunciar a repressão violenta que provocou centenas de mortes entre os partidários do retorno à democracia.

Mianmar vive um cenário de caos desde a intervenção militar de 1º de fevereiro que derrubou o governo civil de Aung San Suu Kyi.

A repressão das novas autoridades militares é cada vez mais intensa. De acordo com o balanço da ONG Associação de Assistência aos Presos Políticos (AAPP), pelo menos 714 manifestantes morreram e quase 3.000 foram detidos.

Como na Tailândia, Camboja ou Laos, Mianmar celebra esta semana o Ano Novo budista e os opositores ao golpe querem aproveitar o momento festivo para organizar ações impactantes nas ruas.

Nesta quarta-feira eles jogaram tinta vermelha em pontos de ônibus e nas calçadas de várias cidades birmanesas, repetindo uma ação realizada há alguns dias.

"O objetivo desta 'greve sangrenta' é recordar nossos mártires, que morreram na luta pela democracia", declarou à AFP um opositor, que preferiu não revelar o nome por motivos de segurança.

"Esperamos a queda da ditadura" ou "Vamos acabar com a era do medo" eram algumas mensagens escritas nas ruas de Mandalay, segunda maior cidade do país, enquanto na capital econômica Yangon também foram pintadas frases de apelo às Nações Unidas: "Querida ONU, como está? Bem, espero. Em Mianmar. nós morremos".

A ONU admitiu na terça-feira o temor de que Mianmar entre em um conflito generalizado como o da Síria e pediu aos Estados que tomem "medidas imediatas, decisivas e eficazes" para obrigar a junta militar a acabar com "a campanha de repressão e massacre da população".

bur-lpm/blb/bds/eb/zm/fp