Mercado abrirá em 9 h 45 min
  • BOVESPA

    112.282,28
    +2.032,55 (+1,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.338,34
    +510,21 (+1,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,39
    +0,16 (+0,22%)
     
  • OURO

    1.763,40
    -15,40 (-0,87%)
     
  • BTC-USD

    43.681,49
    +1.473,88 (+3,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.096,61
    +56,13 (+5,39%)
     
  • S&P500

    4.395,64
    +41,45 (+0,95%)
     
  • DOW JONES

    34.258,32
    +338,48 (+1,00%)
     
  • FTSE

    7.083,37
    +102,39 (+1,47%)
     
  • HANG SENG

    24.500,47
    +278,93 (+1,15%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.193,50
    +30,00 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2146
    +0,0058 (+0,09%)
     

Oposição critica PEC dos precatórios e vice da Câmara propõe tirar pagamentos do teto

·5 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 19.03.2020 - Cartão do programa Bolsa Família, que beneficia a população menos favorecida. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 19.03.2020 - Cartão do programa Bolsa Família, que beneficia a população menos favorecida. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A proposta apresentada pelo governo para deixar de pagar a totalidade dos precatórios em 2022 e parcelar os grandes pagamentos em até dez anos recebeu críticas de deputados e analistas. Em audiência na Câmara nesta quinta-feira (9), eles compararam o texto a uma tentativa de calote e pedalada.

Os precatórios são dívidas do Estado reconhecidas pela Justiça e os pagamentos de R$ 89,1 bilhões previstos para 2022 estão passando por uma tentativa de flexibilização por parte do governo. O objetivo da mudança é abrir espaço orçamentário para outras despesas em ano eleitoral, como a expansão do Bolsa Família.

Além de apresentar uma PEC (proposta de emenda à Constituição) para parcelar os valores, o governo vinha negociando com o Judiciário uma solução que criava um limite anual para os pagamentos.

Mas, diante do clima conturbado gerado pelo presidente Jair Bolsonaro contra o STF (Supremo Tribunal Federal), a alternativa ficou travada e a equipe econômica passou a depender mais do Congresso para encontrar uma solução.

Nos debates desta quinta na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), a participação dos parlamentares foi dominada por deputados de PT e PDT. Eles, assim como o vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), criticaram a PEC do governo.

"Em uma tradução muito simples, essa é a PEC do calote e da pedalada fiscal. Estamos falando em parcelar compulsoriamente uma decisão transitada em julgado pela qual os credores esperaram por anos", disse Ramos. Ele também criticou a negociação com o Judiciário dizendo que ela poderia resultar em um "estupro da Constituição".

"Todos nós temos como objetivo conjunto, coletivo e nacional melhorar o Bolsa Família. Mas isso não pode ser às custas da quebra de uma regra essencial do Estado democrático de Direito que é o respeito às decisões judiciais", disse Ramos.

Em meio ao impasse, Ramos decidiu propor uma PEC alternativa que retira o pagamento dos precatórios do teto de gastos. O texto já está pronto e adiciona ao parágrafo 6º do artigo constitucional que criou o limite para as despesas federais ("não se incluem na base de cálculo") as "despesas com pagamento de precatórios judiciais e requisições de pequeno valor".

Ramos disse que atitudes do governo, como a proposta dos precatórios, foram responsáveis por elevar os juros cobrados por investidores e que o custo da dívida para os cofres públicos já aumentou em R$ 100 bilhões por isso, mais do que os R$ 89,1 bilhões em precatórios em discussão programados para 2022.

O secretário de Tesouro e Orçamento do Ministério da Economia, Bruno Funchal, não manifestou objeções à proposta de Ramos e disse que é preciso avançar nas discussões. "O mais importante é passar por esse debate na CCJ e endereçar esse problema da melhor forma possível, para que possamos fazer os devidos ajustes no Orçamento", disse.

Durante a audiência, Funchal afirmou que um dos motivos para o maior volume de precatórios é a aceleração do ritmo de julgamentos por parte da Justiça nos últimos anos. A equipe do governo defendeu ainda que a proposta está compatível com a Constituição.

O economista Maílson da Nóbrega, ex-ministro da Fazenda e sócio da Tendências Consultoria Integrada, também participou da audiência. Ele reconhece que os precatórios são um problema a ser enfrentado, mas criticou a proposta do governo.

"Parcelamento de precatórios é calote. Calote não é apenas não pagar a dívida, é não pagar no vencimento", afirmou o ex-ministro.

Também criticaram a proposta durante a audiência Tathiane Piscitelli, presidente da Comissão Especial de Direito Tributário da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) em São Paulo e professora da FGV (Fundação Getulio Vargas); e Élida Graziane Pinto, procuradora do Ministério Público de Contas paulista e também professora da FGV.

O deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS) afirmou que a proposta do governo seria um calote e disse que a proposta não vai avançar de forma nenhuma. "O Brasil vive uma crise hídrica e econômica, e não pode colocar mais uma crise em cima disso. O governo nesse aspecto econômico é uma tragédia, pois não governa e vive de protestos", afirmou.

A deputada Maria do Rosário (PT-RS) criticou o argumento de que a PEC do governo é necessária para o fortalecimento do Bolsa Família, dizendo que nada garante que os recursos em discussão serão direcionados ao programa social.

"Usar a ideia de que os recursos irão para o Bolsa Família é perverso. Os recursos que aqui estão sendo retirados em grande parte têm o interesse público da educação, são do Fundef e do Fundeb. Também pertencem à população", afirmou.

Ela viu ainda uma perda de poder dos parlamentares se a PEC ir adiante, por causa do trecho que remove uma trava da regra de ouro (que impede endividamento para despesas correntes, como salários e aposentadorias). Desde 2019, o governo precisa pedir uma aprovação específica ao Congresso para descumprir a regra -e o texto autoriza que a previsão esteja apenas presente no Orçamento.

O procurador-geral da Fazenda Nacional, Ricardo Soriano, afirmou que é preciso discutir os precatórios diante do crescimento de 61% de 2021 para 2022. "Como a expectativa é de que haja um aumento talvez ainda maior ao longo dos próximos anos, temos que pensar qual é a realidade que queremos para o nosso país", afirmou.

"Garanto que este não é um problema de ideologia A ou B. Este é um problema do país que precisa ser enfrentado. E, se não fosse enfrentado agora, em outro governo, eventualmente de outra ideologia, eu garanto que seria enfrentado", disse Soriano.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos