Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.583,69
    +158,47 (+0,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Operadoras são proibidas de cobrar taxas para uso de WhatsApp e Telegram

·1 min de leitura
Aplicativo do WhatsApp
O texto foi aprovado pela Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara dos Deputados nesta terça-feira (4)

(AP Photo/Patrick Sison, File)

  • Projeto de Lei proíbe operadoras de cobrar taxas extras por uso de apps de mensagem

  • Empresas também não podem reduzir o tráfego de dados quando os clientes usarem tais aplicativos

  • Antes de entrar em vigor, proposta será analisada em diversos âmbitos

Um Projeto de Lei proibiu as operadoras de telefonia de cobrar taxas adicionais para o uso de internet em aplicativos de mensagem, como WhatsApp e Telegram. A proposta deixa claro que as ferramentas não podem ser classificadas como prestação de serviço por parte das operadoras, como acontece com SMS e chamadas telefônicas.

Leia também:

O texto foi aprovado pela Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara dos Deputados nesta terça-feira (4), mas ainda deve encarar um longo caminho até virar lei. Isso porque os próximos passos envolvem a apreciação da Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania (CCJC), votação dos deputados federais, aprovação do Senado e sanção presidencial. Se for aceito em todos os âmbitos, entra em vigor.

O PL modifica trechos da Lei Geral de Telecomunicações e do Código de Defesa do Consumidor, de forma a proibir também que as operadoras reduzam o tráfego de dados dos consumidores quando eles estiverem usando os aplicativos de mensagens.

Apesar de estar em pauta somente agora, o texto data de 2015, quando foi apresentado pelo deputado federal Ronaldo Carletto (PP/BA) e aprovado pela comissão de Defesa do Consumidor. A proposta foi debatida ao longo de seis anos.

Com informações do TecMundo

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos