Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.667,79
    -15,76 (-0,04%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,31
    +0,04 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.853,80
    -2,40 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    33.848,67
    +401,43 (+1,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    681,94
    +5,04 (+0,74%)
     
  • S&P500

    3.836,71
    -4,76 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    30.827,03
    -169,95 (-0,55%)
     
  • FTSE

    6.638,85
    -56,22 (-0,84%)
     
  • HANG SENG

    30.159,01
    +711,16 (+2,41%)
     
  • NIKKEI

    28.822,29
    +190,84 (+0,67%)
     
  • NASDAQ

    13.370,25
    +8,75 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7078
    +0,0558 (+0,84%)
     

Operadoras de cassinos do Chile se queixam de mudança de regras

Valentina Fuentes e Eduardo Thomson
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Quando a gestora canadense de fundos de private equity Clairvest passou a investir em cassinos chilenos há mais de uma década, um dos fatores decisivos foi a reputação do país em relação à estabilidade e ao estado de Direito.

Agora, essa posição está em risco com as mudanças na forma como o governo vai licitar a próxima rodada de concessões de jogos, de acordo com Michael Wagman, presidente da Clairvest. As concessões de 15 anos serão vendidas a quem fizer o maior lance, em vez de dar preferência às operadoras atuais, como esperavam.

A Clairvest se uniu a quatro outras operadoras de cassinos chilenos para desafiar as regras nos tribunais e dizem que levarão o caso ao Centro Internacional para Resolução de Disputas sobre Investimentos do Banco Mundial, se perderem o processo contra o regulador chileno.

Em jogo está a reputação de país mais estável da América Latina, há muito um bastião da ortodoxia econômica e de políticas pró-empresas em uma região conhecida pela volatilidade. Questionar esse prestígio é visto por operadoras de cassinos como sua melhor chance de conseguir que o governo do presidente Sebastián Piñera reverta os planos.

O governo “não está nem perto de enviar a mensagem de que o Chile é um lugar seguro para fazer negócios”, disse Wagman, que é porta-voz do grupo. A Clairvest, que possui uma participação na operadora de cassinos Marina del Sol, suspendeu novos possíveis investimentos em outros setores do país, disse Wagman.

Wagman não quis dizer que outros investimentos sua empresa estava considerando. A Clairvest investiu US$ 380 milhões em cassinos chilenos nos últimos dez anos. Em 2019, o setor teve cerca de US$ 670 milhões em receita bruta, segundo dados do governo.

O Chile abriu o setor de cassinos para operadoras privadas em 2005. Antes disso, apenas alguns municípios possuíam licenças. Empresas como a Sun International, da África do Sul, a espanhola Grupo Peralada, a Boldt Gaming, da Argentina, e a Latin Gaming, do Panamá, bem como operadoras locais como Dreams e Enjoy obtiveram licenças de 15 anos em troca da construção e operação de novas instalações.

As empresas dizem que já gastaram US$ 1,4 bilhão no total desde então, sempre com o entendimento de que teriam direito preferencial para renovar as licenças por mais 15 anos. Essa promessa foi repetida recentemente em 2015, quando uma nova lei de cassinos foi promulgada, de acordo com as operadoras.

No entanto, a reguladora de cassinos chilena surpreendeu as operadoras em julho, quando anunciou que as licenças seriam concedidas a quem fizesse a oferta mais alta, em vez de usar um processo que levaria em consideração os investimentos anteriores e a qualidade dos projetos existentes. Depois de dois adiamentos citando o coronavírus, a agência disse em novembro que os licitantes terão que apresentar ofertas em outubro próximo.

O regulador não quis dizer se alguma vez foi feita uma promessa de manter as regras de licitação inalteradas. Disse que, embora o leilão de 2005 tenha sido realizado com o objetivo de promover uma indústria nascente, os cassinos agora estão bem estabelecidos no Chile, e o governo tem a obrigação de buscar o máximo de fundos possível para as concessões, de acordo com resposta por e-mail a perguntas.

“O Chile precisava melhorar os níveis de competição com um novo sistema que poderia resultar em mais recursos para o estado”, disse o regulador.

As concessões estão prestes a ser renovadas em meio a um momento desafiador para o setor, já que as restrições da Covid-19 fecharam a maioria dos cassinos no país por cerca de nove meses. Apenas alguns locais começaram a abrir com capacidade limitada.

O resultado do conflito afetará a capacidade do Chile de atrair investimentos no futuro, de acordo com a Clairvest. “As pessoas verão como o governo se comportou e terão que fazer suposições muito mais conservadoras sobre o que acontecerá com suas licenças”, disse Wagman.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.