Mercado fechará em 5 h 5 min
  • BOVESPA

    125.055,71
    +443,68 (+0,36%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.053,76
    +143,23 (+0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,92
    +0,27 (+0,38%)
     
  • OURO

    1.797,50
    -2,30 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    39.486,88
    +1.276,14 (+3,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    925,14
    -4,79 (-0,52%)
     
  • S&P500

    4.404,81
    +3,35 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    35.003,29
    -55,23 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.012,45
    +16,37 (+0,23%)
     
  • HANG SENG

    25.473,88
    +387,45 (+1,54%)
     
  • NIKKEI

    27.581,66
    -388,56 (-1,39%)
     
  • NASDAQ

    15.012,50
    +64,75 (+0,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0967
    -0,0117 (-0,19%)
     

Operadora de satélites Planet anuncia sua entrada na bolsa com fusão bilionária

·2 minuto de leitura

A startup Planet, de Saão Francisco, nos Estados Unidos, anunciou na última semana sua entrada na bolsa de valores, graças à fusão com o grupo de aquisição de propósito (SPAC) My Technology Group IV (dMY IV). Operando uma rede de aproximadamente 200 satélites, a empresa foi avaliada em US$ 2,8 bilhões (R$ 14,47 bilhões) e levantou US$ 545 milhões (R$ 2,8 bilhões) em dinheiro com a decisão.

Do valor levantado, US$ 345 milhões foram fornecidos pela dMY IV, enquanto os demais US$ 200 milhões foram investidos pelo fundo BlackRock, pela Koch Strategic Platforms, pela TIME Ventures e pelo Google. Fundada em 2010, a Planet atualmente opera a maior constelação de satélites em funcionamento no mundo.

Os equipamentos são usados para fornecer imagens de toda a superfície terrestre, que são atualizadas diariamente. Focada em oferecer conteúdos para o setor corporativo, a empresa trabalha com um sistema de assinaturas que gerou US$ 100 milhões em vendas em seu último ano fiscal, finalizado em janeiro de 2021.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Atualmente, a empresa possui 600 clientes espalhados por 65 países, e fornece satélites que são aplicados em áreas como agricultura (para acompanhar o crescimento de safras, por exemplo), no reflorestamento de áreas desmatadas e na criação de mapas. O setor governamental também usa a tecnologia da Planet para acompanhar ameaças, responder a emergências e assegurar a aplicação de leis.

Os valores levantados com a fusão e com a abertura de ações vão ser usados para pagar os débitos da companhia, financiar suas operações atuais e “dar suporte a iniciativas de crescimento novas e atuais”. A expectativa é que a união entre as companhias seja finalizada até o final de 2021, embora uma data específica para isso não tenha sido determinada.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos